((( TODAS AS PUBLICAÇÕES ANTERIORES A ESTAS E ATUALIZAÇÕES ESTÃO NO BLOG A CASA REAL DE AVYON NA SEÇÃO ))): "ESSENCIAIS" "COLETÃNEAS" "HIERARQUIA" "PROTOCÓLOS" "VÍDEOS" "SUPER UNIVERSOS" "A ORIGEM" .

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

O.M. AÏVANHOV - PARTE 2 - 01-12-2012 - AUTRES DIMENSIONS


Pergunta: Numa Dimensão além da 3ª Dimensão dissociada, estamos na a-consciência, ou estamos ainda numa consciência experimentando alguma coisa?
Mas há sempre uma consciência. Simplesmente, o que você está tentando representar, com a sua Conciência, é impossível de representar.

A questão não se põe desta maneira, quer dizer que quando vocês estão numa forma que não é fixa (eu recordo-os que vocês estão numa forma fixa, que evolui entre o nascimento e a morte: um bebê (nós todos fomos bebês), adulto, idoso, e morto não é?), vocês são concernidos por isso? Acredita-se, enquanto não há uma abordagem. “Tu és pó, ao pó voltarás”.

Todos nós pensamos que é nosso dever, e da nossa consciência, melhorar a situação da Terra. E é normal, quando algo vai mal, quando vocês vivem a Luz (através do Despertar, através da Liberação, e através ainda das convicções profundas, esta famosa (como ela dizia, a Irmã HILDEGARDE?) Tensão para o Abandono (ndr: ver intervenção de HILDEGARDE DE BINGEN de 25 de outubro de 2010).

Independentemente disso, o que se passa, hoje, é profundamente diferente: quando vocês encontrarem o que vocês São, não há mais dúvidas, não há mais interrogações, não há mais oscilações, não há mais movimentos, não há mais mental, não há mais emoções. Mas obviamente, vocês encontram as emoções quando é preciso: se uma situação exige que estejam irritados, será preciso estar irritado. Mas vocês não São esta irritação que se desenrola.

Vocês intervêm numa cena de teatro, mas vocês não são tributários da cena de teatro: toda a diferença, está aí. Seja representar a cena do teatro, como vos disse BIDI, e estarem persuadidos de que vocês são o ator que está em cena: vocês estão identificados a um papel, a alguma coisa que, uma vez puxada a cortina, não existirá mais. É tão simples quanto isso (ndr: relativamente a este exemplo do teatro, ver em particular a intervenção de BIDI-1 de 13 de abril de 2012).

Agora, quando vocês vivem realmente o que vocês São, e que não são mais influenciados por uma ilusão qualquer, por uma egrégora qualquer, e por um qualquer Sistema de Controle do Mental Humano, vocês se Libertam do conhecido. E é aí que se encontra a Verdade. Mas Libertar-se do conhecido (percorrer o que não é mais um caminho mas uma Verdade) não depende de um Absoluto: o Absoluto é a base de toda manifestação, a FONTE é a porta (se podemos dizer) do Absoluto: é a primeira emanação. Portanto, enquanto primeira emanação. Enquanto primeira manifestação, é perfeitamente lógico nomeá-la A FONTE. Então, vocês podem chamar também O Pai, ou A Mãe, pouco importa, ou O Filho, isso não tem nenhuma importância: Não são mais que palavras. Mas há um Ponto focal, eu direi (qualquer que seja o nome que lhe dão), de onde tudo provém e onde tudo retorna.

Agora, quer vocês estejam fundidos n'A Fonte, quer vocês estejam fundidos no Sol, quer  vocês estejam numa tal forma ou noutra tal forma, numa tal Dimensão ou noutra tal Dimensão, vocês não estão mais fixos e atribuídos a uma forma (ou vocês vão seguir esta forma, depois do seu nascimento até a sua morte). Eu vos recordo que, nas outras Dimensões, o processo chamado nascimento e morte, além da 3ª Dimensão Unificada, não existe.

Mesmo se, obviamente, há histórias (não cômicas mas cósmicas), alianças, por exemplo, entre tal Vibração de tal lugar, e tal outro lugar. As alianças que são mais relacionadas a este mundo, resultam de diferentes locais. Vocês têm os Dracos (os Arcontes) da Ursa Maior. Vocês têm os professores de Vega. Vocês têm (eu ia dizer: os avôs) os Anciãos (se podemos dizer isso, mais que os Idosos) que vêm de Orion mas têm uma parte de Orion que está também em ressonância com a Ursa Maior (e portanto, com entidades que não são avôs, mas que são patifes malandros).

Vocês têm seres que são marcados por uma polaridade feminina, porque eles vêm de um mundo particular que está ligado a Sírius (qualquer que seja a Dimensão). Mas quando ultrapassarem este corpo, e saírem de todos os confinamentos, vocês São Livres. Quer vocês sejam tal forma ou tal outra forma, mas vocês o São ao mesmo tempo: vossa forma é diferente consoante a Dimensão.

Isso, não os pode representar, porque, quando nós estamos encarnados, aqui, nós somos tributários do reconhecimento de uma forma: não nos recordamos mais do bebê, mas recordamo-nos quando tínhamos 20 anos, e nos vemos depois, quando chegamos aos 80 anos, temos memórias de ter sido isto ou aquilo. Mas isso passa.

Portanto, quando saímos deste mundo, realmente, e que somos multidimensionais, isso não tem nenhuma diferença, estritamente nenhuma, de manifestar uma consciência e uma experimentação Livre, uma vez que nós temos todos esta Liberdade. É um pouco (se quiserem, guardadas todas as comparações) como o xamã (curandeiro) que vai penetrar o corpo de um animal totem: ele vive realmente o corpo do animal, ele não está mais dependente do seu corpo, formal, de xamã: ele venceu a Deslocalização da consciência. Esta Deslocalização, para os xamãs, corresponde à egrégora da Terra (não a egrégora alterada, astral, mas, todavia, uma egrégora quando mesmo astral, quer dizer fortemente colorida, em cores e emoções): são todas as experiências que estão acessíveis ao nível do 3º olho.

Não é negativo em si (a negatividade não é concebida pela personalidade), mas nós chamamos a vossa atenção sobre o fato que foi uma etapa. E que esta etapa é, justamente, o lugar onde assentam as forças de controle do confinamento. Portanto, é muito fácil, para eles, modificar, mas instantaneamente, o que chamarei a trama astral, e o Sistema de Controle do Mental Humano. O astral coletivo, desde as Núpcias Celestes, começou a dissolver-se.

O Sistema de Controle do Mental Humano quase acabou com o desaparecimento das Linhas de Predação. Mas vocês vivem, todos, ainda, talvez, Linhas de Predação que vos são pessoais (nas vossas relações, nas vossas afeições, no vosso trabalho, na vossa consciência, mesmo ilimitada). Mas quando vocês descobrem, quando vocês vivem, o que vocês São (ilimitados, multidimensionais), vocês não se colocam mais a questão de estar em tal lugar ou tal lugar. Porque a vossa Consciência é multilocal (é a melhor expressão que posso trazer): vocês não dependem de nenhuma Dimensão, de nenhuma forma, vocês não dependem do que quer que seja.

Agora, se vocês quiserem, enquanto Consciência, experimentar antes tal Dimensão que outra, porque isso vos dá prazer, como escolher tal prato no restaurante ou outro (tudo o que é um mau exemplo, a alimentação. Eu vou pegar o cinema, mas é a mesma coisa, é um mau exemplo, são imagens, assim IRMÃO K vai bater-me no que respeita à imagem e à visão, tal como certas Estrelas, portanto não vale a pena).

Vamos mudar de exemplo: imaginem que vocês têm a escolha de tomar tal caminho e tal caminho. Agora, se vocês têm também a escolha de considerar que não existe caminho, mas então, vocês podem viver isso igualmente... como dizer? Não é o mesmo tempo, o mesmo espaço: mas de maneira simultânea. É por isso que lhes dizemos sempre que estamos em vocês. Mas não somos entidades exteriores que estão desfeitas em vocês: nós somos vocês, totalmente, realmente, concretamente. Só a personalidade não o pode viver. E não é porque eu o digo, aqui, que vocês o vivem necessariamente. Mas é preciso ter já a oportunidade que a vossa Atenção (e portanto, vossa Consciência) esteja dirigida para isso.

É o mesmo princípio (se quiserem) que todos aqueles que escrevem hoje sobre este tempo. É exatamente o que fez ANAEL com Hic et Nunc (Aqui e Agora). Aqui e Agora não é uma finalidade: é um meio de viver o Ponto ER, e de viver o Centro, é tudo. Mas não é a finalidade. Da mesma forma, a finalidade da Consciência não existe: a Consciência é a Consciência, ela é a interface, ela é a manifestação, ela é a expressão.

Qualquer que seja o nível Dimensional, nós vos dissemos que vocês não São esta Consciência (qualquer que seja aqui ou algures). A Consciência é a manifestação. Mas a a-consciência não é desprovida de percepção: simplesmente, esta percepção é indiferente de toda forma, de toda história, de toda Dimensão, e eu direi mesmo de toda Fonte: é o momento em que vocês São, vocês próprios, A FONTE. Foi CRISTO quem disse: “Eu e o meu Pai somos Um. Eu sou o Alfa e o Ômega”. Portanto, quando vocês são o Alfa e o Ômega, por que querer colocar-se no Alfa primeiro que no Ômega? Vocês são tudo isso, ao mesmo tempo, no mesmo (ainda uma vez, não é o termo exato) espaço-tempo quer dizer de maneira simultânea, uma vez que não há desenrolar do tempo.

Obviamente, ainda uma vez, vocês tiveram (para muitos entre vocês, agora) a revelação de algumas das vossas Linhagens. Mas o objetivo, não é para vos dizer: “Vocês vêm de Sírius? Encantado. Eu moro na rua do paraíso, em tal lugar, em Paris”. O que é que isso vai mudar saber que vocês vêm de lá, em relação àquilo que vocês São? Em relação àquilo que manifestam: sim, claro, porque as circunstâncias de vida em tal rua, não são as mesmas que em tal outro país.

É a mesma coisa para a Consciência, que são aspectos da Consciência. Portanto, não se coloquem mais este gênero de questões. Nós os convidamos, mais uma vez, para levar a vossa Atenção, para Hic et Nunc. Porque As Linhagens, por exemplo, são agentes estabilizadores dos Elementos, não mais ao nível da Coroa da cabeça, mas diretamente no peito, e seguidamente em todo corpo, e seguidamente em toda a Consciência. É tudo.

Pergunta: aqueles que viverem A Libertação, podem ajudar os que lhes são próximos?
Recordem-se: esta noção de ajuda, ela é muito, como dizer, não é uma prova de que tu és dual, mas é uma prova de que vocês estão contaminados por esta noção de dualidade de ação / reação. Porque há um evento que surge, então (qualquer que seja o evento, não é específico da Ascensão, da Liberação: um evento imprevisto surge), ao nível do humano, certamente, ao nível da humanidade (mesmo do humanismo, do social, do espiritual), vocês têm esta noção de ajuda, de acompanhar, de servir, de amar.

E vocês chamam isso “amor”, aliás. O que é, do vosso ponto de vista, bastante preciso. Mas se vocês viveram o Amor Vibral, vocês sabem que o amor afetivo, o amor romântico, o amor ideal, e o Amor Vibral, isso nada tem a ver. Mas enquanto não o viverem, o Amor, para vocês, é isso que vocês vivem. Portanto, isso não é o Amor Vibral. Agora, da mesma forma, recordem-se que é a Luz que faz o trabalho. Quer dizer que, a um dado momento (e a isto se junta uma das perguntas anteriores), quando as diferentes etapas do Choque da Humanidade chegarem ao seu extremo, há aceitação. Vocês não podem ajudar outra pessoa.

Agora, recordem-se: é a vossa Transparência que ajuda a Terra, não somente vossa proximidade ou uma ligação afetiva.

A ação, quando vocês imergirem (que isso seja no Samadhi, que isso seja na vossa própria Dissolução, no Absoluto, quando o corpo não aparece mais, quando a Consciência não aparece mais e que vocês Estejam sempre aí), não é nem o sono, nem o Despertar, nem o Acordar: é outra coisa.

Vocês precisam do que quer que seja? A Luz, o retorno da Luz, é isso. Portanto, certamente que, quando chegar o momento, vocês terão outra coisa para fazer que ajudar um próximo, uma vez que vocês estarão (eu vos recordo) todos em estase, quer dizer na incapacidade de controlar o que quer que seja desse corpo (um pouco, se quiserem como o que eu expressei, ou o que expressou também, ela própria, ainda hoje, MA ANANDA MOYI concernindo suas experiências de vida) (ndr: intervenção de MA ANANDA MOYI de 1º de dezembro de 2012).

E observem: nós chamamos cada vez mais vossa Atenção: tudo está no vosso interior. Até o presente, nós fizemos paralelismos com o exterior, com o que vocês viviam, com o que viviam outras pessoas, que outros Irmãos e Irmãs não viviam. Hoje nós vos dizemos: parem tudo isso, fiquem “Tranquilos”, como o dizem sem parar, outros Anciãos. Escutem, mas não o procurem. Acolham mas não se projetem, nem no futuro, nem num cenário. Vivam este Instante Presente. Mas não unicamente para se comprazerem no Instante Presente, e para se observarem no Instante Presente, porque o Instante Presente (Hic et Nunc), é uma das melhores formas, hoje, de desaparecer.

E quando vocês desaparecerem, por vós, o mundo não existe mais, da mesma forma que a vossa pessoa não existe mais: aí, vocês têm, não uma convicção, não a fé, mas vocês viveram a Infinita Presença, ou então o Absoluto. Nesse momento, vocês sabem que encontraram a Eternidade. Certamente que o coração (no sentido humano) vai querer fazê-los mostrar, demonstrar (mesmo sem nenhum poder, mesmo sem nenhuma ascendência) o que vocês São.

É lógico, porque vocês querem que os Irmãos e Irmãs vivam como vocês, vivam esta Liberação, esta Alegria Fantástica. Mas vocês não podem levá-los lá. Vocês podem, no limite, abrir-lhes o 3º olho, mas vocês os mantêm na ilusão. Vocês podem esbanjar-lhes boas parábolas, mas estas boas parábolas não são a Transformação.

Este basculamento está iminente, eu vos recordo: iminente em termos Terrestres (eu o redigo, porque depois, vocês vão dizer que a iminência, pode durar anos). Não há iminência, quando vocês São Absoluto, quando estão na Infinita Presença, isso pode durar milhares de anos em termos Terrestres: vocês não são mais concernidos pela ilusão. Eu tentei dizer de outra forma tudo o que disse BIDI, em relação ao ponto de vista, a mudança de olhar, e a Refutação. Mas, agora, como ele próprio lhes disse, já não é mais tempo de refutar: é tempo de Viver isso, porque está aí.
 
Não se dispersem. Fiquem Tranquilos, é também isso. Não vão ler livros sobre a Kabala, não vão realizar rituais com velas, ou o que quer que seja. Fiquem no Centro. Encontrem-se a si mesmos: tudo É, muito mais fácil que antes, e cada dia, é cada vez mais fácil. Mas se vocês passam vosso tempo a desperdiçar o tempo que resta, ao nível humano, a projetarem-se à esquerda e à direita, como é que querem ter tempo de encontrar, realmente, vosso Íntimo, quer dizer vossa Eternidade? Que não depende, de forma alguma, de nada. Exceto, efetivamente, a facilitação, pela Descida do Espírito Santo e pela Subida da Onda da Vida, e pelo Canal Mariano, pelas nossas Comunhões, obviamente. Isso é o mais importante.

É por isso (como eu dizia, e como foi dito) que MARIA podia falar-lhes: ela foi capaz de aproximar seres. Vocês não tinham necessidade, nem do Canal Mariano, nem de Autres Dimensions, para alguns dentre vós, para ter contatos com Maria, nem mesmo palavras, nem mesmo debates (ou de outras Estrelas, pouco importa). Mas se só houvesse isso, de que serviria? De nada, porque Maria pode falar-lhes desde milhares de anos: vocês têm uma voz que vos vai falar, mas isso é suficiente para vos Transformar? Não, isso pode incitá-los (o que chamamos, numa época, dando-lhes um Impulso) mas a finalidade não é essa. 

A finalidade, é, efetivamente, a Liberação. E alguns dentre vós viveram a Liberação, por antecipação um milionésimo de segundo. Não para testemunhar o que vocês vivem (vocês não terão as palavras, é muito difícil) mas, simplesmente, a vossa Presença tem uma ação de irradiação, pela Transparência, sobre o mundo.

Então, obviamente, se vocês estão (como numa pergunta anterior) confrontados com a violência, a Luz incomoda. E aquele que está ferozmente oposto à Luz, quer dizer que está inscrito na personalidade, inscrito entre o nascimento e a morte, dizemos que o resto não lhe concerne absolutamente nada (sem necessariamente que seja alguém que está no ego, que está no poder, mas simplesmente a expressão de uma personalidade): ele vai mandá-los passear.

A partir daí vocês podem suportar fenômenos difíceis. Porque, vocês, vocês estão na aceitação, e outros ainda não viveram a negação. Outros estão na negociação ou na cólera, enquanto que, vocês, vocês estão na aceitação: vocês não podem ouvi-los. Vocês não podem trocar, nem pelas emoções, nem pelas palavras. Só há a possibilidade da Comunhão, e vocês notam, à vossa volta, que independentemente dos Duplos, as Comunhões de Irmãos e Irmãs, se produzem, agora, espontaneamente: vocês nada procuram, nada rebuscam, vocês nada pedem, e isso cai-vos em cima.

O que vocês fariam, nesse caso? Seja ir para a Luz, seja resistir. É tão simples quanto isso, e é para todos, igual. Portanto, se vocês se contentam de não serem mais nada, para Serem Tudo, quer dizer a Luz, vocês não se colocam mais a questão de querer agir sobre tal ser ou tal ser: é a Graça, é o Espírito Santo, se preferirem (é o CRISTO, como dizia Mestre PHILIPPE) que age. É tudo.

Pergunta: podemos ajudar o outro, apenas pela própria irradiação, quando somos Transparentes?
Mas Irradiar quem? a Luz Irradia: ela se difunde por todo o lado. O que faz obstáculo à Luz, é a pessoa, nada mais. A Transparência (e o exemplo foi tomado), é o prisma ou o cristal: ele deixa passar a Luz. Mas vocês veem um cristal parar a Luz, vocês veem um cristal mudar a Luz, como ele quer? A Tranparência, é isso. Não confunda a irradiação de uma pessoa, com a Irradiação da Transparência.

Em sua vida, no momento em que THERESA (ndr: DE LISIEUX) era uma jovem menina, vocês acreditam que as Irmãs, que estavam fechadas com ela, a consideravam como uma Santa? Não, eles a consideravam (como ela própria disse) como sua pequena escrava para fazer tudo. E ela tinha uma tal Humildade que ela nunca hesitou em relação a tudo isso. E foi dessa forma que ela encontrou o que ela Era, e não certamente protestando sobre as circunstâncias, que ela própria, acima de tudo, havia escolhido.

A Transparência e a Infância, é isso. É aí, o que Irradia, é a Luz, é ainda mais a consciência: é isso, a Transparência. De fato, há duas transparências: há a transparência da personalidade (que quer obedecer às regras morais, sociais ou de comportamento), há a transparência nas palavras (mas vocês sabem o que é a transparência de palavras), e há a Transparência da Infância, que é espontânea, que está ligada à Inocência e à via da Infância, e ao fato de que não existem Véus.

Eu creio que foi IRMÃO K que vos falou dos últimos véus (ou SRI AUROBINDO, há uns meses), que falou, de maneira extremamente precisa, destes diferentes Véus. (ndr: ver em particular sobre este tema as intervenções de IRMÃO K de 1º e 20 de Julho de 2012). O Véu faz obstáculo à Irradiação. O Véu mantém a opacidade. Quando os Véus são arrancados, o que é que se passa? A Irradiação aparece, a Vibração. Mas há ainda uma etapa: é considerar o que vocês São, em Eternidade, no coração do Coração que, eu vos recordo, não é sequer um chacra: é um Ponto que eu poderei chamar virtual (que vocês o coloquem sobre o coração ou sobre o 9º Corpo, aqui, isso não tem nenhuma importância, mas ele ainda está localizado). Mas este Ponto não está localizado somente neste corpo: é o Ponto da vossa Imortalidade.

Então, eu sei que os Irmãos orientais tinham chamado a isso a gota vermelha, a gota branca (os hindus tinham-no chamado o corpo búdico e o corpo átmico). Revelar o corpo átmico e o corpo búdico vos coloca neste estado de Transparência, mas é preciso não parar na noção de irradiação. Obviamente, que vocês irradiam, mas o que é que irradia? A Luz que passa através de vocês, ou a pessoa? Enquanto vocês acreditarem que vocês emitem o Amor, vocês não podem ser o Amor, no sentido Vibral (isso assemelha-se a todas as noções de Samadhi, tudo o que vos foi explicado sobre a consciência Turiya, já há algum tempo, ou ainda Shantinilaya ou Sat Shit Ananda, ou tudo o que foi desenvolvido: é a mesma coisa).

A Transparência que falo, é tornar-se um prisma de tal forma Transparente, que não há nada, em vocês, que faça obstáculo à Luz. É assim que vocês desaparecem, e que o mundo desaparece (é o que chamei, na época, a “grelha-planetária”). Alguns dentre vocês já desapareceram: eles são Absolutos. Eles mantêm uma forma, por conseguinte são tributários dessa forma, mas eles não são mais afetados. Eles descobriram o que eles São. Mas esta descoberta é tão simples. Aliás.

Isso corresponde a uma frase que todos nós conhecemos: quando os deuses se reuniram, eles disseram: “onde é que vamos esconder a divindade do homem? No seu Interior: é o único lugar onde ele jamais procurará”. Isso, funcionou perfeitamente. Então, eu não falo somente aqui de interiorização. Eu não falo aqui, somente, do Fogo do Coração ou das Coroas Radiantes: eu falo da a-consciência, ou da Consciência Última (se preferirem também: A Infinita Presença).

É nesse estado aí que vocês são Transparentes, mas enquanto vocês não viverem este tipo de Transparência, vocês não podem sequer imaginá-la. Então, eu vos representei, através da imagem de um cristal, de um prisma, qualquer que seja o cristal desvia a Luz (mas o prisma não a desvia). Portanto, se vocês olharem um cristal de chumbo (ou um cristal de sílica, pouco importa), vocês têm matéria opaca: o chumbo (a sílica amorfa, a areia) que se torna transparente sob a ação do calor.

Vocês devem tornar-se Transparentes sob a ação do Fogo do Amor, quer vocês queiram ou não. Depois, vocês fazem o que vocês quiserem. Em resumo, e de outra forma: a Irradiação do Coração está ligada ao Fogo do Coração. Houve a abertura da Porta Posterior do Coração (ou, se vocês preferem, que lhe chamemos, em certas tradições: a câmara posterior do coração), que está ligada a METATRON, a KI-RIS-TI e que abriu a porta das costas.

Em seguida, há certos pontos (eu vos recordo) que foram ativados pelo que foi nomeado a Merkabah Interdimensional Coletiva, que está ligada à ativação da Nova tri-Unidade (é velho, agora, hein, isso remonta a mais de dois anos, foi em setembro de 2010, mais precisamente). Tudo isto é antigo.

O que vocês vivem, hoje, não é mais a Irradiação do vosso ser Consciente: o mais frequente, quando as Asas Etéricas ou a Porta KI-RIS-TI está aberta, e que o triângulo da nova tri-Unidade está constituído, que o fim da predação (não mais dos dois primeiros chacras, mas do Eixo ATRAÇÃO / VISÃO) terminou, o que é que vocês descobrem? A Transparência. Quer dizer que a Fonte da Irradiação, como tu dizes, não é mais o teu Coração, mas é a Luz. Quer dizer que tu És: tu desapareceste deste mundo, e tu te tornaste Tudo (ou o nada: chame-o como quiseres).

Pergunta: você tinha falado de ofertas de contratação, quais empregos podemos solicitar?
Oh, ser Libertador do mundo, é muito apaixonante. O único problema, é que é preciso penetrar, do Interior, o mundo, para estar habituado. Portanto, isso necessita de uma pequena volta sobre o confinamento. Mas nada de muito desagradável: isso dura alguns milhares de anos.
 
Pergunta: é dito frequentemente que será feito segundo nossa Vibração, e ao mesmo tempo que farão o que quisermos. Como se situa então a noção de escolha?

Mas não há escolha. As escolhas, há muito tempo que estão caducadas. Há a Liberdade. A Liberdade não é uma escolha: é uma evidência. Depois tu fazes o que tu quiseres. Quando eu digo: “tu fazes o que tu quiseres”, eu não me dirijo à tua pessoa (que deve desaparecer), eu dirijo-me ao que tu És. Tu recebes o que eu digo, no lugar em que tu próprio te situas.

Quando vocês são Livres não há escolha: vocês vão onde vocês quiserem, uma vez que vocês São todas as escolhas ao mesmo tempo. Se tu tentares, com a cabeça, imaginar o que isso significa, isso não significa nada. Vocês viveram, durante as Núpcias Celestes, antes e depois, diferentes tipos de escolhas que estavam ligadas, efetivamente, à Consciência, à Vibração.

Agora, o que é que vos digo? Eu vos digo nada mais que: a maneira como vocês vivem o que é para viver, desde hoje e agora (quer dizer vosso Choque e o Choque da Humanidade), a maneira como vocês vivem isso, sem condicionar, mas orientar o que vocês São, ou o que vocês creem ser (mas vocês terão a reminiscência do que vocês São, portanto, nesse momento, a questão não se colocará sequer).

A escolha está ligada a uma possibilidade, de maneira conjunta e comum (no mesmo espaço, no não tempo, mas sensivelmente a mesma coisa, para vocês, ao nível da significação). Por que é que te limitarias a confinares-te, tu próprio, em tal Dimensão, ou em tal forma, uma vez que não há mais confinamento? É o problema da consciência, aqui (aí, onde nós estivemos todos, e onde vocês estão ainda): é acreditar que a Consciência é tributária de uma forma, acreditar que a Consciência é tributária de um mundo.

A Consciência é Livre. Ela é mesmo Livre de desaparecer: é o que tu És, em Verdade. Portanto, o que é que uma escolha tem a ver com isso? É caduco. A escolha, é para se colocar, efetivamente (“ser-vos-á feito segundo a vossa Vibração”) em todo este período preparatório que foi vivido (que isso sejam as Núpcias Celestes, as Núpcias Cósmicas, as Comunhões, as Dissoluções, as Deslocalizações, o Canal Mariano ou a Onda da Vida).

Mas, ainda uma vez, se em ti (ou algum outro), não há vivência, por exemplo, da Onda da Vida: isso nada te diz a Onda da Vida. Recordem-se que sempre foi dito que vocês não podiam decidir pela Onda da Vida: ela sobe ou ela não sobe, em função de vossos próprios medos, que estão inscritos nos dois primeiros chacras, no Eixo ATRAÇÃO / VISÃO.


A noção de escolha foi uma escolha da personalidade, e em seguida de escolha da alma. Mas eu te recordo que foi explicado, de diferentes formas, por MARIA, hoje, e ainda re-especificado por MA ANANDA (ndr: ver as intervenções de MARIA e MA ANANDA MOYI de 1º de dezembro de 2012), que a alma deve se dissolver, salvo se tu próprio decides manter uma alma. Mas quando eu digo “tu próprio”, não me dirijo a ti enquanto pessoa, eu dirijo-me ao que tu És, e que entende o que eu digo.

É isto, o que foi explicado em relação à Vibração, ou de ler simplesmente as palavras, ou de compreender simplesmente as palavras. Percebam, vejam a grande maioria de nossos Irmãos e Irmãs que estão em processo espiritual: eles reivindicam A Luz, eles reivindicam uma Idade de Ouro, eles reivindicam uma melhoria. Mas esta melhoria, esta Idade de Ouro, concerne a quê? Obviamente, a preservação da pequena pessoa, como por acaso. Porque eles são incapazes de se verem, de se imaginarem, de viver, o que eles São, fora desta forma. Portanto, eles são tributários desta forma, e eles bem queriam apropriar-se da Luz nesta forma, mas isso não é possível.

A maior das dificuldades, para a Consciência, que se trate, também, daqueles que tiveram a possibilidade de viver o Estado de Ser no Sol, que isso seja para aqueles que vivem as Comunhões, que, vos recordo, são independentes da Onda da Vida (na Comunhão, não é uma escolha, é uma ressonância que se cria, uma irradiação, uma alquimia particular, que têm efeitos, como o Encontro com as quatro Linhagens ou os quatro Elementos, mas é tudo): não há a escolher tal Elemento ou tal outro Elemento, tal forma ou tal outra forma, uma vez que vocês estão Liberados.

Ser-te-á feito, exatamente, segundo aquilo que tu acreditas, ou àquilo que Vibras, ou àquilo que És, em Absoluto. É tudo. É por isso que a tua Liberação concerne a todo o mundo. Mas a vivência desta Liberação, e o que se passa depois, é diferente. Mas o mais importante, não é saber onde vocês vão. O mais importante, é ser Liberado.

Nós não temos mais perguntas, nós agradecemos.

E bem, caros amigos, eu vos dou todo o meu Amor, todas as minhas Bençãos. Sejam o que vocês São, porque o vocês São já, quaisquer que sejam as circunstâncias deste mundo, qualquer que seja a grelha-planetária. A grelha-planetária é a egrégora coletiva da humanidade, a alma coletiva humana, (a qual tem sido referida por MA ANANDA) que é chamada a dissolver-se. Agora, se vocês quiserem manter uma alma, vocês a manterão. Mas não serão mais atribuídos a uma forma fixa, confinada: a Reconexão à Luz é o sinal do Retorno à Eternidade (mesmo se vocês desejarem manter uma multidão ou uma infinidade de efêmeros).

Mas, ainda uma vez, eu quero dizer, com isto, simplesmente que o que tu És é que é importante: não é o tu acreditas, não é um destino, nem sequer uma Vibração (mesmo se, efetivamente, as Vibrações ajudaram grandemente a Ser o que tu És, de passagem, justamente, pelo Si). Mas, hoje, vocês têm Irmãos e Irmãs que, da noite para o dia, no espaço de um minuto, se encontram Absoluto.

Qual é a caraterística do Absoluto? É não ser (eu direi) mais radiante, de manifestar mais conveniência ou mais carisma. É saber o que tu És, mas de forma íntima, Vivida (não através de uma história do que foste, numa vida passada, porque isso, isso concerne a este mundo) e o que tu És, em Verdade.

Eu vos transmito todo meu Amor, e vos digo, certamente, eu também, até à próxima semana. Eu vos digo até muito em breve. Todo meu Amor está convosco. Bençãos a todos.


NDR:Ponto ER da cabeça : a fontanela do topo da cabeça, no cruzamento da linha que passa pela ponta das 2 orelhas e a linha passando entre o nariz e o occiptal.

Ponto ER do peito: sobre o eixo do esterno, em sua parte superior, acima do chakra do Coração, sobre a protuberância do esterno chamada ângulo de Louis.



HIC: 2 dedos acima da ponta da orelha esquerda.


NUNC: 2 dedos acima da ponta da orelha direita.


Triângulo da Nova tri-Unidade



KI-RIS-TI: entre as omoplatas, à meia altura (sob a quinta vértebra dorsal). Raiz do Chacra do Coração.



Porta ATRAÇÃO: chacra do baço - uma mão abaixo do seio esquerdo (o chacra do baço sendo elíptico a posição simétrica do chacra fígado é inteiramente aqui).

Porta VISÃO: chacra do fígado - uma mão abaixo do seio direito.


 

Mensagem de O.M. AÏVANHOV - PARTE 2 no site francês:
http://www.autresdimensions.com/article.php?produit=1717

01 de dezembro de 2012 (Publicado em 02 de dezembro de 2012)
Tradução para o português: Margarida Antunes


M.M - http://minhamestria.blogspot.com.br/
C.R.A - http://a-casa-real-de-avyon.blogspot.com/


O.M. AÏVANHOV - PARTE 1 - 01-12-2012 - AUTRES DIMENSIONS


Pois bem caros amigos, eu estou extremamente contente em reencontrá-los e eu lhes transmito todas as minhas bênçãos. Então, eu lhes envio todo o meu Amor e nós vamos começar a entrar em suas perguntas.

Pergunta: Você tinha dito que os Arcontes poderiam criar um mundo em 5 minutos ...
Eles são incapazes de criar o que quer que seja. Eu nunca disse que os Arcontes tinham criado o que quer que fosse: eles transformam uma Criação pré-existente. Quer essa Criação se refira a uma Dimensão específica (como o que é nomeado "A Criação") ou, se vocês preferirem, o que eu chamaria a terra-formação de um planeta, permitindo acolher consciências em experimentação, qualquer que seja o plano Dimensional (3D ou Unificada ou sobre toda Dimensão que eu qualificaria como planetária ou solar), esta Criação é, em geral, uma Criação de Amor, que está relacionada com a necessidade da consciência de se expressar e de se experimentar a si mesma, com quadros, se vocês quiserem, particulares.

A principal característica (quer seja o que nós nomeamos um Mestre geneticista de Sírius, que, lembro-lhes, terra-formou este Éter desde muito muito tempo e a semeou) era permitir fornecer um veículo para a consciência, em um mundo dito carbonado. Essas, essas que são Criações, por assim dizer. Mas um Arconte jamais criou nada.

Sua função era de administrar as Criações, mantendo, eu diria, a Liberdade. E, em algum momento (como vocês dizem, nos quadrinhos?), eles quiseram ser vizir em vez do vizir, ou califa, em vez do califa (eu sei muito mais). Mas, em todo caso, eles se substituíram a uma filiação e uma Criação Livre, é claro, portanto multidimensional (mesmo em 3D Unificada), que não conheceu o confinamento que todos nós conhecemos na Terra. Mas nunca, um Arconte, pôde criar o que quer que fosse.

Pergunta: De onde vem o poder dos Arcontes?
Ele vem, eu diria, da sua experimentação extremamente longa. A sua experimentação de consciência nos aspectos também multidimensionais, que eles mesmos tentaram criar (e aí, não é uma Criação, é um confinamento): isolar-se no seio de uma dada Dimensão, para ver o que isso fazia.

O poder resulta diretamente da sua estrutura, aí onde eles estão, que é uma estrutura biológica, mesmo se ela vos é, à priori, na maioria das vezes, invisível, e mesmo se estes Arcontes não estiverem na Terra mas em lugares precisos que nós já situamos. Mas um Arconte nunca criou nada: ele subutilizou uma Criação. Ele quis fazer um campo de, como dizer, confinamento, com o pretexto de que se confinássemos uma consciência, ela iria desenvolver ainda mais Luz. Isso resultou de uma distorção de eles mesmos, ligada à sua unimanifestação Dimensional que eles próprios criaram. Mas não é uma Criação, no sentido em que o entendemos.

A falsificação, a Ilusão, não é uma Criação: é uma paródia de Criação, substituindo as regras normais dos Universos, das Dimensões, ou do que quer que seja, por qualquer coisa que estivesse cortada da sua Fonte, que faz o ser humano procurar em permanência o que ele crê ter perdido (e que nós cremos todos ter perdido). Através da espiritualidade, através da evolução, nós tentamos, pacientemente, encontrar. Falando da minha própria vivência, quando eu vivi a Unidade e o Estado de Ser, depois, quando voltamos da experiência que eu vivi, certamente, estamos diferentes mas tentamos encontrar soluções para fazer penetrar a Luz e fazer elevar a matéria para a Luz, de diferentes formas.

Quando eu estava encarnado, eu falei tanto da Kabala como da astrologia, como da iniciação, etc. Vocês sabem muito bem que tudo isto não representa senão experimentações mas que o que permite a própria experimentação da consciência, é justamente o que foi chamado Absoluto, Último ou a-consciência, onde vocês existem, ou seja, vocês se mantêm fora do ser, vocês estão no não-ser, vocês estão no Verdadeiro Ser, de qualquer modo.

Vocês são verdadeiramente o que vocês São. É muito difícil (e como todos os intervenientes vos disseram) colocar isto em palavras. A Vibração é, talvez, o meio que vos permite aproximar do que nós queremos dizer e de viver, sobretudo, esta multidimensionalidade. Nós dissemos: há a quinta Dimensão. Há a nona Dimensão (onde nós estamos), há a décima primeira Dimensão, etc. Estes são lugares de vida estabilizados mas, certamente, a expressão da vida é múltipla, mesmo no seio de uma Dimensão.

Na décima primeira Dimensão vocês têm seres de Cristal, vocês têm os Elohim, mas vocês têm também outras consciências que nós não evocamos, para não vos alimentar inutilmente com este gênero de conhecimentos. Mas o que é importante de apreender, é que, definitivamente, os Arcontes (como eu os chamei: Maus Rapazes, Fantoches, para não os chamar de outra maneira), são administradores, mas administradores que deviam respeitar a arquitetura das Criações, qualquer que seja a Dimensão.

Portanto, eles não criaram esta Dimensão, eles simplesmente a confinaram. Agora, podemos sempre, do lado do confinamento (e para aqueles que nele se deliciam), chamar isso uma Criação. Além disso, todas as religiões, sem nenhuma exceção, foram criadas, elas sim, pelos Arcontes. Eles sempre se serviram de uma já existente, para a transformar à sua vontade. Vocês sabem que, nos mundos multidimensionais Unificados, não há separação: a comunicação é total entre A FONTE e os diferentes Planos, e todas as consciências, quaisquer que elas sejam.

O tempo e o espaço não são definíveis. Tal como vocês o vivem ou tal como a ciência o pode exprimir. Mas os Arcontes nunca criaram nada: eles confinaram qualquer coisa dizendo que isso ia criar qualquer coisa bem mais bela que a Luz. Mas como é que pode haver qualquer coisa bem mais bela que a Luz, quando sabemos, e quando nos lembramos (o que vai ser o vosso caso brevemente, mesmo para aqueles que ainda não o viveram) que nós Somos essa Eternidade? Nós Somos o mundo, todos, sem nenhuma exceção.

Então, vocês podem afirmar, enquanto vocês quiserem, os princípios e os valores do amor incondicional. Na minha vivência, é o que eu fazia, através da criação de um movimento espiritual, onde tentamos federar os seres, através de um contexto, vamos dizer, social, psicológico e espiritual. Mas, hoje, perante a chegada da Luz, perante o Supramental, perante a Onda Galáctica, perante tudo o que se acontece, em vocês, é evidente que vocês não têm mais necessidade de tudo isso.

O que servia, de qualquer modo, de bengala, de guia quando estávamos cegos (o conhecimento, qualquer que ele seja): vocês sabem, hoje, que não é senão uma ignorância. Mas em relação a quê? Em relação ao Absoluto. Mas enquanto vocês não são Absolutos, enquanto vocês não tiverem esta reminiscência, que está surgindo, em vocês, vocês procuram muletas. Mas as muletas, é o que vocês vão utilizar e que vos vai fazer, de uma certa maneira, expandir a vossa consciência e que vos pode fazer viver as experiências. Mas, mais uma vez, o Despertar, é o momento em que as barreiras caem, ou seja, que vocês não vivem mais como separados (do Sol, de uma flor, de uma árvore), aqui mesmo, aí onde vocês estão.

O Estado de Ser é um outro aspecto da multidimensionalidade, onde a vossa consciência não é mais obrigada, por viver essa não-separatividade, a estar limitada a esse corpo. E, portanto, a fazer viagens, que não têm nada a ver com uma viagem astral, mas que se situam em outras Dimensões que não têm nada a ver com o que é conhecido neste mundo, quer seja estando encarnado ou deixando pela morte, encontrando-se na matriz astral que é denominada «para além». Mas, para além disso, há outra coisa, claro.

Mas os Arcontes não criaram nada aí dentro. Eles apenas restringiram um certo número de coisas, é tudo. O seu poder? É preciso não confundir o poder do Amor com o poder do ego. Vocês têm seres, nesta Terra, que são extremamente poderosos (e eu não falo dos poderes financeiros ou dos poderes de um ditador ou de um guerreiro). Eu falo, por exemplo, de um poder Interior que dá a possibilidade de manifestar coisas incríveis.

Eu creio que os nossos Irmãos Orientais chamam isso «os poderes da alma» ou «o poder da alma», ou seja, tudo o que está ligado aos poderes paranormais: quer seja a levitação, quer seja a deslocação de objetos, quer seja a capacidade de ver através das paredes (poderíamos multiplicar os exemplos ao infinito). Mas nenhuma dessas manifestações de poder, manifestadas no seio deste mundo, é a prova de uma qualquer elevação da consciência: bem pelo contrário.

Certamente, quando vocês estão religados À FONTE, vocês podem, por exemplo, agir, como uma oração, ao nível dos elementos. Isso, SNOW vos falou. Mas eu vos contarei, mesmo, uma anedota, que se refere a um período em que eu estava encarnado e em que eu estava no sul da França. Desde que houvesse um incêndio, no verão, era a mim que vinham procurar, para que eu me dirigisse ao Gênio do fogo, para acalmar certos incêndios. Mas isso não era um poder, era um ato de Amor, porque, sendo, como vocês sabem, um Melquisedeque do Fogo (a minha Dimensão está ligado ao Fogo, a minha apresentação multidimensional está ligada ao Fogo), havia uma afinidade particular com o Fogo.

E, portanto, eu podia, do vosso ponto de vista, comandar os elementos. Mas isso não era um sinal de poder. Era, por contrário, um sinal de muito grande Humildade daquele que está realmente religado À FONTE. E bastava, simplesmente, pedir ao elemento para não se dirigir aqui porque havia qualquer coisa que podia pôr em perigo certos elementos, mas antes para ir para lá ou então parar.

Os testemunhos, eu penso, para aqueles que me conheceram, nesse momento, são muito numerosos. Mas não vejam o poder, neste mundo, como uma finalidade, nem como um sinal de um qualquer controle do que quer que seja, senão como um domínio do ego. Porque, quando vocês chegam, não ao Si (porque o Si, vocês sabem, é um vislumbre da Luz que pode ser, em certos casos, utilizado, mesmo subutilizado, eu diria, pelas forças da personalidade).

Nesse momento, vocês aterram nesse poder que pode siderar multidões, onde vocês vão fazer aparecer um objeto, desaparecer um objeto, mas isso não prova absolutamente nada. É preciso compreender bem que, mesmo na vida do CRISTO, vocês olham ainda hoje (mesmo eu, na minha vivência) os seus milagres. Mas a vida do CRISTO não é um milagre: é um testemunho do Amor.

O que é que nós fizemos dos milagres? Quando vocês vivem a Consciência pura, Sat Chit Ananda, ou quando vocês vivem um Samadhi, o que é que vocês têm a fazer com o poder? Vocês são Transparentes. Será que podemos dizer que MA ANANDA MOYI era poderosa, neste plano, mesmo se por vezes havia manifestações ligadas ao Samadhi, que faziam, por exemplo, com que não pudéssemos descolar do chão, ou que não pudéssemos fazer mexer um dedo, de tão congelado que estava? Mas não era ela. Portanto, não é um sinal de poder.

O verdadeiro domínio é tudo menos o poder expresso neste Plano. Isso, isso foi dito, parece-me, perfeitamente explicado (mas se vocês não o vivem, a explicação não serve para nada) por aquele que vocês nomeiam BIDI. Além disso, Buda dizia: «quando tu encontrares os poderes ou o poder, salva-te rápido». Mas nós todos passamos por estas etapas intermediárias, onde é muito agradável ver as auras, é muito agradável ver que podemos emitir uma energia ou uma consciência sobre um Irmão ou uma Irmã e levar-lhe, efetivamente, um alívio, mas eu vos lembro que é, no entanto (esse poder), uma ação executada pela vontade e pelos chacras inferiores, e que isso não tem nada a ver com o Coração.

O Coração não se define em termos de poder, ele define-se em termos de Transparência. E, como diria o Mestre Philippe: «se vocês querem viver o Coração, sejam nada aqui, vocês serão Tudo, em toda a parte». Portanto, os Arcontes não são poderosos, eles só têm o poder que vocês lhes atribuem. Mas houve um poder que existiu e que se manifestou aquando do primeiro confinamento (que eu já evoquei antes e depois das Núpcias Celestes), que corresponde, se vocês quiserem, ao domínio deste confinamento. Mas controlar o confinamento não permite sair do confinamento.

Portanto, não são seres poderosos: eles são poderosos num Plano, e eles têm o controle de um Plano (enfim, eles tinham). Mas isso para aí. Então, eu te convido a te redefinir a ti mesmo: será que tu queres ser poderoso neste mundo ou será que tu queres ser Luz? É totalmente incompatível. O poder, a mais, nesse caso, não está ligado a uma consciência mas simplesmente ao que eu chamo sucata, ou seja, uma embarcação de forma particular, redonda, com uma estrutura metálica extremamente precisa, que cria, se vocês quiserem, campos elétricos e campos magnéticos que permitiram dobrar o espaço-tempo. Mas isso, eu te convido a rever o que eu já disse, há muitos anos. (Nota: Nibiru)

Portanto, é o poder da sua tecnologia. É a mesma coisa para vocês: quando tu vês uma bomba atômica, é poderosa. É muito poderosa, uma bomba atômica, isso faz desaparecer a matéria. Mas em que circunstâncias isso faz desaparecer a matéria? Isso cria buracos nas outras Dimensões. Portanto, todo esse poder não serve para a Luz. Ele pode, eventualmente, servir na estrutura em que a Dimensão está confinada mas absolutamente não para aquilo que tu És.

E claro, eu o repito mais uma vez, absolutamente todos, na nossa abordagem dita espiritual, na nossa busca espiritual, nós procuramos, em primeiro lugar, manifestações, digamos milagrosas, e que nos permitam participar. Por exemplo, se vocês forem salvos por um Anjo: se um dia, na vossa vida, vocês sentem, por exemplo, um impulso nas vossas costas, e vocês são lançados ao chão, vocês começam a incomodar-se, se perguntando o que é que vos empurrou as costas. Vocês voltam-se: não há nada mas vocês apercebem-se que nesse momento, uma pedra cai do céu. Talvez porque vocês estão, nesse momento, num estado particular, vocês vão ver o Anjo que veio.

O fato de ver a intervenção de um Anjo, não importa porquê (não sonhá-lo, imaginá-lo mas realmente vê-lo, vivê-lo, neste Plano), vos dá a percepção do poder. Será que um Anjo é qualquer coisa, aqui? Será que vocês veem um Anjo trabalhar de manhã, levantar-se para ir para a fábrica? Salvo os Anjos que habitarem um corpo humano: isso pode existir.

Mas não é preciso confundir poder e Transparência: vocês não podem ser poder e ser Transparentes. O Mestre Philippe vos explicou que os milagres que ele fazia, não era ele que os fazia: ele sempre o disse. Então, claro, é preciso ter atenção àqueles que dizem: «não sou eu que faço, é a Luz que me atravessa» mas que alimenta, de fato, o seu próprio ego.

A Transparência, a Humildade, a Infância: todos os nomes que vos foram dados, todos estes qualificativos (que são Vibratórios e que se referem à consciência) tendem a vos demonstrar que ser o que vocês São necessita, justamente, não ser apagado e ser completamente descerebrado, mas estar nesta forma de Humildade em que vocês vivem, realmente, o Poder Interior. E quando vocês vivem o que vocês São. Interiormente (esta Luz, este Êxtase, a Onda da Vida) mas vocês não têm necessidade de fazer brinquedo com os poderes ou com o poder, neste Plano, já que a Luz se ocupa de tudo. Portanto, considerar a noção de poder, é reforçar o poder.

Quando vocês veem alguém e vocês dizem: «ele é poderoso», vocês sintonizam a vossa consciência com esse poder, é tudo. É por isso que, mesmo que muitos seres (que chamamos de Mestres, de Místicos ou de Seres realizados) puderam manifestar milagres, e por vezes extraordinários, mas eles fizeram-no em circunstâncias extremamente precisas e não como o seu lema de todos os dias, não é? Eu não parava os fogos em todos os dias do ano, eu retardava-os (distribuía-os) por todos os dias do ano: era nesses momentos em que não tinha que escolher mas em que isso se impunha como uma evidência. E não é o poder que faz descobrir isso, por contrário: quanto mais poderosos vocês são, mais Vocês irão ocultar a Transparência porque o poder, neste mundo, resulta diretamente do que eu chamaria a opacidade, ou seja, a não-transparência.

Portanto, se vocês são Luz, vocês não podem manifestar nenhum poder. Vocês são o poder, mas ele está onde? No Coração. Ele não está ligado à manifestação da consciência. E nesse momento, vocês são, verdadeiramente (como vocês foram chamados pelos Arcanjos): Ancoradores, Semeadores de Luz, Libertadores, Filhos do Um. Quaisquer que sejam as denominações, isto remete-vos, sempre, sempre, não para as circunstâncias da vossa vida, aqui, não para as leis deste mundo, mas para as leis do Amor. E há uma só: é a Graça.

A Graça não tem nada a ver com o poder. Então, é claro, se tomarmos o ponto de vista daquele que está completamente confinado (fechado) e que só evolui dentro da sua cabeça (através de um conhecimento livresco, ou conhecimento dito esotérico, ou mesmo iniciático), para ele, o que eu vos digo, não significa nada. Porque, muitas vezes, esta abordagem espiritual, esta busca espiritual, é baseada, justamente, na aquisição de qualquer coisa que vos falta. E vocês acham que o que vos falta é a clarividência, é a intuição, é o discernimento.

O que vos falta é a Paz; nada mais. Hoje, é ainda mais verdadeiro, porque é evidente, por causa da Luz que está aqui. Portanto, esqueçam essas noções de poder e de autoridade, porque vocês arriscam, por um lado, ceder a vossa consciência a um ser quer vocês definem como poder de um Mestre, é a mesma coisa. O tempo dos Mestres passou.

Então, eu poderia vos dizer, para vos fazer felizes, que vocês são todos Mestres, mas Mestres do quê? Será que é possível controlar a Luz, já que é o que nós Somos? É a ilusão que podemos ter, aqui: acreditamos que há uma distância, acreditamos que há um caminho, acreditamos que há uma evolução. E eu também acreditei, durante muito tempo. Portanto, vocês veem, todos nós fizemos enquadrar, eu diria, a nossa experiência (seja do Despertar, seja da Libertação, real, para alguns e para algumas), efetivamente, com o que nós vivemos, nesse momento.

Um irmão Oriental (qualquer que ele seja, que é marcado por esta cultura hindu, por exemplo, que passou numerosas encarnações importantes na Índia), quando ele vive a Libertação, ele pode ainda ter imagens que se apresentam, mas é claro que não verá o CRISTO: ele verá Krishna, ele verá quem vocês quiserem do panteão hindu, mas ele não verá o CRISTO. Portanto, ainda há representações, mesmo quando se é Libertado, porque, mesmo Absoluto com uma forma, vocês ainda estão nessa forma, impregnada de uma cultura, de reflexos, de automatismos que, necessariamente, a partir do instante em que haja expressão, a partir do instante em que haja comunicação, há individualização e há, portanto, uma coloração que se faz.

Há, nos processos de Comunhão, de Fusão, de Dissolução (como vocês o puderam viver no Canal Mariano ou com um Duplo, qualquer que seja), onde, aí, não há palavras. E, além disso, vocês acham que, para MARIA, com o que ela vos disse, ela não tinha a capacidade de falar, antes da existência do Canal Mariano, a certas consciências, a título individual? É claro que sim.

Mas atenção, quando vocês veem um Anjo que vos salva a vida, vocês vão toda a vossa vida investigar sobre os Anjos, não é? É normal. Se for MARIA que vos vem para falar, antes que vocês vivam os processos de Comunhão (mas simplesmente uma voz que vos fala e que vos diz que é MARIA), sem viver o impacto Vibratório do Coração, vocês vão perguntar: «será que é a Luz, será que é a sombra?». Eu te remeto, para isso, para o que foi explicado por SRI AUROBINDO, relativamente à chegada das Presenças, quer à vossa esquerda, quer à vossa direita, quanto à origem desse contato (ndr: intervenção de SRI AUROBINDO de 21 maio 2012).

Isso, isso foi explicado perfeitamente, e esta é a realidade. Agora, se vocês não têm a percepção Vibratória, eu poderia vos dizer: «eu sou MARIA», vocês vão acreditar em mim? Da mesma forma, quando vimos falar convosco, no vosso sono, em meditação ou não importa o quê, mesmo se vocês veem (com o vosso terceiro olho ou em visão etérica) qualquer coisa, se o Coração não estiver aberto, de que vos serve isso? De nada. Nada de nada.

Isso vai enriquecer a personalidade, mas tudo o que enriquece a personalidade não permite à Luz estar presente. É isso tudo que foi transmitido. Por exemplo, eu sei que THERESA vos disse, há pouco tempo, para tentar ler um pouco do que ela escreveu quando ela era criança. Vocês podem fazê-lo, mas o que fez THERESA? É, justamente, o que ela chamou a Via (o Caminho) da Infância. Mesmo se, quando vocês leem, há uma coloração, digamos, religiosa, mas o que ela Era, ela, é independente da religião.

É claro, isso procurou expressar-se nesse contexto, porque, nesse contexto, nós tínhamos a certeza que permaneceria uma memória, um traço da possibilidade de viver esta Infância: é isso que é importante. Isso não é adorar THERESA, nem adorar-me, nem adorar não importa quem. Portanto, o poder está em vocês. Mas atenção, se vocês manifestarem o poder no exterior, será que é Transparente ou será que é opaco?

Enquanto os poderes da alma se exprimirem na matéria, vocês não podem encontrar o Espírito; é impossível. Portanto, quanto a esta noção de poder de um Arconte, ou do CRISTO, ou não importa de quem, é preciso, verdadeiramente, ver claro. Atenção às palavras que vocês usam: a energia é uma coisa, sabemos o que é, esta palavra. Mas, o poder? De que poder falamos nós? É o poder do Espírito ou o poder da matéria? Não esqueçam o que está entre os dois: é a alma. Para o quê se virou a vossa alma? Por que o Buda disse: «quando tu encontras os poderes da alma, salva-te rapidamente»? Por que razão, creem vocês? Porque é uma armadilha. Então, uma vez que a Reversão do Triângulo de Fogo, ao nível das Estrelas, foi feito, uma vez que vocês viveram uma das Coroas Radiantes, ou o Canal Mariano, ou a Onda da Vida, tudo isso, para vocês, já não tem importância, porque existem salvaguardas.

As salvaguardas são o que vocês são, realmente, presentes na Terra, no momento em que vocês realizam o Despertar ou a Libertação. Portanto, nesse momento, não há mais poder, não há mais energia: há a Transparência. Mas não é uma Transparência da personalidade, que vai dizer as coisas claramente ou se comunicar com clareza. É a Transparência real, tal como ela existe, através de uma expressão de que eu gostei muito, que foi usada na semana anterior: esta noção de prisma que decompõe a Luz. Mas, será que é o prisma que faz nascer à Luz? É preciso ser Transparente, enquanto prisma, aqui, para descobrir o que vocês São, na Eternidade.

Então, poderíamos retomar as metáforas ou as parábolas que foram dadas, tanto no Oriente como no Ocidente. Elas são numerosas em relação a isso. Mas enquanto vocês têm sede de Luz e que, realmente, a Luz não vos conectou, contatados Comungados, Fusionados, o que resta? A personalidade, com os seus medos, os seus objetivos, as suas metas, com as suas projeções da consciência, mesmo que saiba que ela deve procurar a Luz. Mas ela a procura, onde? Fora, no conhecimento.  

Embora se tenha dito, sempre, que a Luz estava no Interior. E o que fazem a maioria dos movimentos ditos espirituais, todas as organizações espirituais? Eles associam-vos, através das crenças ou dos conhecimentos. Eles vão dar-vos a prova que esses conhecimentos afetam: por exemplo, acender uma vela vermelha na hora de Marte, na terça-feira, enquanto vocês estão em lua crescente, na hora precisa que corresponde a Marte. Vocês terão efeitos mágicos, mas será que aí está a Transparência? Será que vocês não mostram, assim, que a vossa alma está voltada para a matéria e a necessidade de transformar esta matéria?
  
O objetivo não é transformar a matéria: é uma transubstanciação da matéria ou uma espiritualização da matéria. Aí está a Ascensão. Portanto, nenhum poder vos leva a isso e, também, nenhum conhecimento vos pode levar a isso. Então, é claro, isso faz recair o ego em várias etapas. Lembrem-se de uma frase que disse ANAEL, há muito tempo (de diferentes maneiras, isso dizia respeito tanto ao Abandono à Luz, como ao Abandono do Si, como às verdades relativas, as Verdades Absolutas): «Tudo o que vocês seguram, vos segura, aqui, neste mundo». Tudo aquilo a que vocês se seguram.

Então, é claro, quando eu digo isso, aquele que está na personalidade, o que vai ele imaginar? Que é necessário cortar todos os laços, que é necessário viver sozinho, que é necessário livrar-se do marido, da mulher, do trabalho e tudo isso. Efetivamente, nos tempos anteriores a este tempo preciso, há alguns anos, vocês todos tiveram impulsos para mudar certas coisas, tanto em vocês, como no vosso exterior.

Era mais para vos facilitar a vida, mas não era um objetivo em si mesmo, nem um fim em si mesmo. Hoje, a quantidade de Luz Vibral é tal que vos é suficiente dirigirem-se à Luz, não como um pedido, mas sendo o que ela É, isto é, o que vocês São. E aí, vocês verão que toda a noção de poder, de autoridade, de domínio da matéria, não tem mais nenhum sentido. O domínio é apenas uma etapa do desenvolvimento da personalidade: nada mais.

As experiências que forem realizadas, por exemplo, com produtos, quaisquer que sejam (quer sejam luzes, música, uma vela, um incenso, o que denominamos drogas ou, o que está mais na moda, as drogas xamânicas) vão vos fazer penetrar em alguns níveis que vos são inacessíveis. Mas não é porque vocês penetram neste nível que vocês atingiram o nirvana. Isso é uma armadilha do ego.

O que quer que vos seja dado a viver, o que quer que vos seja dado a experimentar, o que acontece quando vocês vão ao coração do Coração, como é que isso foi definido e redefinido constantemente (o coração do Coração, o centro do Centro, o Ponto OD, o Ponto ER, ao nível do peito, ou ainda o que o conduz a este estado particular que acontece pouco antes do Absoluto). Aí, vocês têm o alimento e quando vocês forem alimentados por isso, é claro que vocês deixam cair todo o resto, porque isso não tem mais nenhum sentido, isso não faz mais sentido.

Então o que eu expressei, através da Transparência e da opacidade, é o mesmo que em relação à espiritualidade. Onde colocam vocês a vossa espiritualidade? Vocês a colocam na busca da Luz, no estabelecimento de um Novo Mundo nesta Terra (é impossível)? Ou será que vocês a colocam no que vocês São, na Verdade? É tão simples quanto isso. Portanto, não deem qualquer poder àquele que mostra ou manifesta um poder. Os poderes representam apenas a alma, absolutamente, não o Espírito, para retomar as terminologias que empregou, mesmo antes de mim, MA AMANDA MOYI.
 
Pergunta: aqueles que agora hoje estão em negação sobre o que se passa, viverão a Translação?  e em quais Dimensões eles estarão, eles podem retomar um caminho de despertar?
Esse momento final, que você chama a Translação, os faz aterrissar em um lugar, isso é tudo. Agora, se vocês viveram a Infinita Presença, se vocês são Absoluto com forma, vocês sabem muito bem o que vocês São. Nesse momento, vocês não têm de se colocar a questão de onde vocês vão, uma vez que vocês já chegaram.

É o mundo que deve chegar em algum lugar, mas não vocês, uma vez que vocês, vocês não são mais deste mundo. Vocês estão sobre este mundo, mas vocês são já, como vocês o experimentam, de outros lugares. Não em renúncia deste mundo, mas em espiritualização deste mundo. Vocês estão à frente um bilionésimo de segundo. E nós jamais lhes dissemos que a Humanidade ía Transladar. Nós dissemos que a Humanidade estava Liberada.

O que é que isso quer dizer “estar Liberada”?
É reencontrar essa reminiscência da Luz, reencontrar o que vocês São. Quando vocês reencontram o que vocês São, não há mais questões, onde quer que vocês estejam, onde quer que vocês vão, o que quer que vocês se tornem como forma, ou sem forma, isso não tem nenhuma espécie de importância, uma vez que vocês estão, realmente, ali onde vocês São.

Isto quer dizer não mais somente este corpo, não mais somente esta Dimensão, não mais somente uma outra Dimensão, ou o Sol, como aqueles que aí passearam no Corpo de Estado de Ser (Êtreté), no final das Núpcias Celestes (aí houve muito poucos, nesse momento, em todo caso deste país, mas muito mais de outros países que, eles, estavam já muito mais Liberados).

Portanto, a Liberação da Terra, é a Ascensão da Terra em sua nova Dimensão de vida. Sua Liberação, a vossa, é viver, não unicamente a Translação (uma vez que a Translação ou a Ascensão, ela os conduz a um destino que é íntimo e próprio a vocês), mas no nível da Liberação, é restabelecer, pelo Coração Ascensional, pelo Canal Mariano, a filiação, como disse MARIA, à Luz.

Esta filiação à Luz, vocês o compreenderam, ela o repetiu, está ligada essencialmente ao ponto ER da Cabeça e ao ponto ER do Timo, quer dizer o 9º Corpo. É aqui que se situa a multidimensionalidade e não em outro lugar. Então, é claro, houve condições prévias que permitiram reunir o ponto ER. É também o que o Arcanjo ANAEL lhes desenvolveu largamente e ele chamou isso, em latim, HIC e NUNC, quer dizer Aqui e Agora.

Mas Aqui e Agora, o tempo presente, a potência, o poder do Instante Presente, vocês têm muitos seres sobre a Terra que vivem o Despertar e que o testemunham. Vocês têm muitos (alguns dos quais são muito conhecidos hoje) e que dissociaram esse Despertar de qualquer noção, não de espiritualidade, mas do Espírito. O que quer dizer que eles viveram o Despertar e eles transcreveram o que eles viveram para conduzir as pessoas em seus intelectos, em seus pensamentos, para se aproximar e talvez viver o que eles viveram.

Mas nós sempre dissemos: “o Despertar não é a Liberação”. Não parem em um caminho para compreender que não há caminho. A negação, hoje, em um dado momento, o que é que isso vai se tornar?
Ou o medo, ou a cólera.

Aquele que se preparou Interiormente não tem necessidade de sinais exteriores, mesmo se dá prazer ver os sinais exteriores e mesmo se alguns sinais lhes foram dados, para estes momentos extremamente específicos, para confortá-los (intelectualmente, mas não Vibratoriamente) no que se vivia no Interior de vocês.

Houve várias ocasiões e várias oportunidades para isso. Que seja pela presença de MIGUEL (que não terminou de se manifestar), seja pelas Linhas de Predação das quais eu falei: tudo isso lhes dá marcadores. Mas os marcadores não estão destinados a fazê-los ir a tal lugar ou a tal outro lugar: são marcadores, para vocês, Interiores.

Portanto, quando vocês vivem a Luz (eu não falo de ver a Luz com o terceiro olho ou de sentir um chacra que faz cócegas), mas verdadeiramente quando vocês estão Liberados, vocês o sabem, vocês não têm de se colocar questões.

Vocês não se colocam mais a questão de saber: “eu estou Liberado, eu não estou Liberado, eu vivo isso, eu não vivo isso”. Isso não pode mesmo lhes aflorar. Mas, para isso, é necessário compreender que se vocês estão assim, vocês não têm, sobretudo, necessidade, nem desejo, de manifestar o que quer que seja além do que vocês São: nem a potência, nem o poder.

Mas, para retornar a essa questão, a Ascensão da Terra, a Ascensão da Humanidade, e, antes de tudo, um processo de Liberação, quer dizer de Reconexão que foi pacientemente preparado desde tempos extremamente antigos.

Quer dizer que essa preparação, ela está ligada às Núpcias Celestes e às primeiras chegadas do Espírito Santo sobre a Terra em 1984 (ndr: as “Núpcias Celestes” fazem referência às intervenções de MIGUEL de 17 de abril a 12 de julho de 2009).

É algo que se preparou desde mais de 300.000 anos de tempo Terrestre, que necessitou, portanto, não de um trabalho, mas de ajustamentos, cada vez mais finos, da Luz, até a etapa que nós chamamos hoje, de justaposição ou de sobreposição ou de sobre-impressão (pouco importa).

O momento em que se reaproxima o que vocês creem ser e o que vocês São (para a Terra como para vocês, individualmente): quando se produz esse Encontro, é claro, se o encontro é muito forte, tudo o que está em baixo explode, literalmente.

O objetivo era restabelecer essa Reconexão e viver a Liberação como uma possibilidade de ser Absoluto, em uma outra forma Dimensional ou sem forma: isso não tem nenhuma importância. Mas aqui, aí onde vocês estão, é claro, havia cinco etapas dessa Revelação da Luz. E essas cinco etapas lhes foram exprimidas e você exprimiu a primeira: é a negação.

O que é que vem depois?
É a cólera. O que é que vem depois?
É a negociação.

O problema (não é um problema), a vantagem, eu diria, que houve em retardar (e como vocês o realizaram, nós o realizamos com vocês) o momento da Liberação, não é para fazê-los esperar ou para deixá-los como castanhas na brasa, era permitir, justamente, que essa sobre-impressão e essa Dissolução eventual se faça sem obstrução, sem medo, sem angústia, sem interrogação.

É claro, a humanidade está Liberada. Agora, falar da Ascensão, cada um aí vai por sua representação, quero dizer, vocês se imaginam retornar, por exemplo, a sua origem estelar, por exemplo, retornar para Sírius, por exemplo, aqui ou ali, ou, por exemplo, permanecer na Terra na 5ª Dimensão. Mas tudo isso são apenas projeções.

Busquem o Reino dos Céus. Estabeleçam-se, agora, de maneira ainda mais evidente, na Infinita Presença ou no Absoluto. Todo o resto será varrido como poeira. Mesmo os prazos astronômicos não lhes importarão mais, nem o prazo do Basculamento final, uma vez que vocês o vivenciaram e vocês, vocês sabem, nesse momento, que todo o jogo da Ilusão vai desaparecer, quer queira ou não.

É o mesmo princípio. Vamos retomar um exemplo que foi dado, eu creio, por SRI AUROBINDO ou algum outro, esta manhã. O exemplo, eu o retomo também: vocês vão morrer, anuncia-se que vocês vão morrer. Vocês dizem: “Não é verdade, não é possível”. E em seguida, vocês estão na negação, portanto, vocês recusam ver que é o fim desta vida, deste corpo. Em seguida, após a negação, há a cólera: “não é possível que isso chegue a mim”. É semelhante para a mudança Dimensional deste mundo e para a Ascensão, mas, sobretudo, para a Liberação.

Como é que alguém que não vive algo pode imaginar, representar, que isso é verdadeiro?
Se vocês vão, por exemplo, falar das Cruzes Elementares, vocês sentem, realmente e concretamente, os pontos das Estrelas da cabeça, por grupos ou todas juntas. Vocês têm, portanto, algo no nível dessa Coroa, desse chacra, se vocês preferem, que jamais, quase nunca, foi descrito em algum lugar. Similar para a Onda da Vida. E quando nós chamamos isso Onda da Vida, Onda do Éter (essa energia que sobe do Núcleo Cristalino da Terra), em todo caso, vocês, vocês a percebem sob seus pés. E há algum vestígio em algum lugar? Eles são extremamente raros.

Portanto, é claro, todos aqueles que estão instruídos para dizer que a Liberação, é o despertar da Kundalini, que a Realização, é acessar o astral e ver o astral, eles não compreenderam nada: mas eles não o podem compreender, uma vez que eles não o vivem e como vocês querem que eles tenham a possibilidade, de outra modo a não ser por uma adesão mental ou um princípio de negação mental, de dizer que isto é verdadeiro.

Vocês aceitam que isso seja verdadeiro (para aqueles entre vocês que estão aí e que o vivem) uma vez que vocês o vivem e talvez mesmo vocês o tenham vivido bem antes de nós falarmos através do Autres Dimensions. Senão, para vocês, isso não quer dizer nada, lhes é mesmo impossível representar o que é a ascensão. Por outro lado, aquele que vive a Dissolução de sua consciência, aquele que vive as Comunhões, aquele que vive seu próprio desaparecimento, ele não tem mais questão a se colocar porque ele sabe o que ele É, mesmo se a aparência deste mundo lhe mostra o contrário.

O problema, é que vocês têm seres que estão submissos à aparência, por meio das visões ditas astrais, com grandes arquétipos. Como se chama aquele que lhes falou dos grandes arquétipos? Jung. E vocês têm também aqueles que fizeram experiências com produtos, com técnicas, com drogas, que viram todos, a mesma coisa.

Mas é porque eles viram todos, a mesma coisa, que é a Verdade?
Se eles não vivem outra coisa, para eles, é a verdade. É tão simples assim.
Então, após a negação, eu lhes garanto que após a cólera, o medo, a negociação e a aceitação, vocês serão todos, sem nenhuma exceção (todo este sistema solar), reconectados, reconectados à Unidade. É o que a FONTE chamou, eu creio, seu Juramento e vossa Promessa.

Depois, vocês façam o que vocês quiserem. Vocês estão Livres. Mas compreendam bem que, como alguém que vai morrer, quando lhes dizem: “vocês façam o que vocês quiserem”, se vocês dizem que amanhã vocês vão dirigir um automóvel esporte, enquanto vocês estão quase em coma, isso coloca uma preocupação, não é?

Portanto a Liberação, é a reconexão, se posso dizer, ao que vocês São. Agora, depois, vocês fazem o que vocês quiserem. Aí está a Liberdade da Luz e não a pseudo liberdade do livre arbítrio ou do carma.

É necessário de início estarem conscientes do que vocês São. Aqueles que estiveram conscientes um bilionésimo de segundo antes, na história da Humanidade porque eles viveram a Liberação ou porque, desde anos, eles vivem as transformações (que seja o som nos ouvidos, que sejam as Vibrações na cabeça, as dores na cabeça, os calores no corpo, os tremores do peito, o acesso a outras esferas no nível dos sonhos), tudo isso lhes dá uma prova, mas aquele que não o vive, que aí adere ou não, isso nada muda. Ele não o vive. O que é que vocês querem que ele encontre através disso?

É por isso que eu insisto, nestes últimos tempos, sobre essa noção: por que interessar-se pelo que vocês não vivem? Eu poderia e poderiam, todos, ter lhes contado não importa o quê. Qual é a prova da veracidade do que nós lhes dissemos? Não é o que nós lhes dissemos, é o que vocês vivem, nada mais e nada menos.

Simplesmente, o que vocês vivem é função de circunstâncias particulares que acompanham o retorno da Luz. Essas circunstâncias particulares criaram circunstâncias que foram nomeadas, eu creio, históricas. Essas circunstâncias históricas, vocês as vivem ou não. Mas, em um dado momento, tem beleza, por exemplo, quando vocês estão agonizando, dizer: “eu não morro, eu não vou morrer, este corpo vai escapar”, é no que chega a maioria das pessoas, é claro, porque há uma negação da morte, há uma negação do desaparecimento. Mas, se vocês aceitam desaparecer, o que é que vai se passar?

O momento de sua morte (eu falo a morte, eu não falo da Translação) vai ser muito mais pacífico, muito mais feliz e o lugar em que vocês vão se reencontrar depende inteiramente da maneira como vocês deixam um outro ambiente.

É por isso que vocês têm livros antigos (como os livros dos mortos egípcio e tibetano) onde certo número de ensinamentos foram dados a ler para aqueles que partem. De algum modo, nós lhes demos o que havia para lhes dar para viver e para ler, antes de partir. É exatamente a mesma coisa. Então, em um dado momento, vocês não podem fazer de outro modo (quer vocês tenham estado na negação, na cólera, na negociação) senão dizer: “efetivamente, isto é verdadeiro”.

Mas, mais uma vez, as condições dessa passagem não são as mesmas. Se tomamos o exemplo anterior às Núpcias Celestes: aqueles que morreram se encontravam no Astral e se reencarnaram, viam suas vidas, reencontravam os parentes, os Anjos, a Luz ao longe e se lhes dizia: “não, é necessário retornar”. Bem, eles reencarnavam. Mas o que é que se passava quando vocês morriam?

Vocês aterrissavam do outro lado e vocês continuavam com exatamente as mesmas ideias, os mesmos pensamentos. Simplesmente, não havia mais o corpo. O ambiente era mais luminoso, mais atraente, reencontrava-se as pessoas que se havia perdido de vista, etc. Mas era também um confinamento. Isso não é a Liberdade. É a liberdade em relação a este lado aqui, onde vocês ainda estão, mas não é a Liberação. É uma certa forma de liberdade, quer dizer, que fez vocês passarem da prisão para o pátio da prisão. Mas há outra coisa, ainda depois.

Então, eu vou retomar todas as expressões de BIDI, concernentes ao teatro, ao observador, aquele que está sentado, aquele que joga, mas é exatamente a mesma coisa.

Agora, lembrem-se de que a vida, não é estar no teatro, ou ser o espectador sentado em sua poltrona, ou estar no teatro, é perceber que o teatro não existe. Mas se vocês não o querem, vocês são Livres. Simplesmente, em um dado momento (que é chamado o Clique (gatilho) ou o Basculamento), vocês estarão obrigatoriamente diante de vocês mesmos.
Diante de vocês mesmos, o quê?

É diante da Luz, uma vez que vocês são a Luz. E nesse momento, vocês apreciarão esse retorno à Luz, mesmo se no instante anterior, era assustador uma vez que era o desaparecimento, uma vez que isso queima o corpo, uma vez que é um fogo devorador que devora tudo, de amor inextinguível e indizível, cujo menor aspecto encarnado (mesmo no amor o mais ideal) é apenas um pálido reflexo.

Não há senão as Comunhões, não há senão as experiências de Êxtase, de Comunhão com um Duplo, qualquer que ele seja, ou de Dissolução, que lhes permitiram se aproximarem da realidade que é, quando se deixa este tipo de forma que vocês têm, nesta Dimensão e neste confinamento.

Mas todo o mundo passará por esse momento, quer dizer o Juramento e a Promessa, ou se vocês quiserem, o Basculamento, o momento em que vocês são lembrados do que vocês São. Agora, depois, se vocês decidem permanecer na experimentação da consciência, pouco importa: vocês são Livres. Mas compreendam bem que a Terra, ela, ela decidiu outra coisa. Portanto, todo o mundo será Liberado, todo o mundo viverá uma Translação ou uma Ascensão. Mas não é necessário acreditar que a palavra “Ascensão”, é ir para a 5D, ou imaginar que vocês já estão na 4D. Isso não tem nada a ver.

A passagem da 3D (3D Dissociada) para a 5D é a Liberação. A Liberação é um fato adquirido para o conjunto da Humanidade. Agora, vocês Transladam onde bem lhes parece. Conforme sua Vibração ou conforme o Absoluto que vocês São, as condições dessa passagem são profundamente diferentes.

Eu falo agora da morte, eu retorno ao exemplo anterior, eu não falo mais da Translação ou da Ascensão: alguém que morre e que morre em paz, tendo o sentimento de ter resolvido todas as suas problemáticas. Vai se reencontrar, mesmo se fosse no astral, aliviado. Ele terá mais capacidade de se elevar ainda mais e de se aproximar da Luz, para ir ver do outro lado.  Mas aquele que passou trinta anos de sua vida (e esse era o próprio princípio do confinamento), por exemplo, a ruminar uma obsessão, quando ele estiver morto, isso não mudará nada: ele continuará a girar ao redor de sua obsessão. Ele não verá nem os anjos, nem os desencarnados, nem os próximos, que vieram acolhê-lo. Ele estará confinado a ele mesmo uma vez que o mental é confinante.

O mental não existe, ali onde nós Estamos. O mental decorre diretamente do confinamento.

A necessidade de explicar, a necessidade de compreender, a necessidade de ordenar, a necessidade de coordenar, a necessidade de justificar: tudo isso pertence a este mundo, mas não quando vocês estão na Transparência. Portanto, sim: Liberação para o conjunto do sistema solar.


Sim: mudança Dimensional, seja para a 3D unificada, seja para o Absoluto, seja para uma Dimensão que os agrade: isso, é, eu diria, sua escolha, seu problema, eventualmente. Mas a Liberação é um fato adquirido e o mais importante é a Liberação. Depois, vocês façam o que vocês quiserem.  Aliás, estamos contratando. Os Arcontes também porque eles estão com dificuldade para manter os últimos mundos que vamos visitar em breve.


NDR:

Ponto ER da cabeça : a fontanela do topo da cabeça, no cruzamento da linha que passa pela ponta das 2 orelhas e a linha passando entre o nariz e o occiptal.

Ponto ER do peito: sobre o eixo do esterno, em sua parte superior, acima do chakra do Coração, sobre a protuberância do esterno chamada ângulo de Louis.



HIC: 2 dedos acima da ponta da orelha esquerda.


NUNC : 2 dedos acima da ponta da orelha direita.


Triângulo da nova tri-Unidade


KI-RIS-TI: entre as omoplatas, à meia altura (sob a quinta vértebra dorsal). Raiz do Chacra do Coração.


Porta ATRAÇÃO: chacra do baço - uma mão abaixo do seio esquerdo (o chacra do baço sendo elíptico a posição simétrica do chacra fígado é inteiramente aqui).

Porta VISÃO: chacra do fígado - uma mão abaixo do seio direito.




Mensagem de O.M. AÏVANHOV - PARTE 1 no site francês:
http://www.autresdimensions.com/article.php?produit=1716

01 de dezembro de 2012 (Publicado em 02 de dezembro de 2012)
Tradução para o português: Josiane Oliveira, Cris Marques e António Teixeira e Ligia Borges


M.M - http://minhamestria.blogspot.com.br/
C.R.A - http://a-casa-real-de-avyon.blogspot.com/


 

IS-IS (MARIA) - 01-12-2012 - AUTRES DIMENSIONS


Áudio em francês.

Eu sou MARIA, Rainha dos Céus e da Terra. Crianças da Luz, aqui e em qualquer lugar, eu rendo graças e eu estou honrada por este instante que nós vamos partilhar, no Coração do Amor.

Eu agradeço a vossa presença e a vossa constância. Eu rendo graças à vossa consciência que soube, de diferentes maneiras, ao longo destes anos e das vossas vidas, guardar, em vocês, a lembrança, o traço da vossa Eternidade.

Eis-vos, portanto, chegados, nestes Tempos (tão precisos, tão íntimos e tão intensos) do que é para viver, a fim de vos levar à vossa Eternidade. Como para muitos de vocês, eu posso doravante dizer-vos: «eu estou convosco, até ao fim dos Tempos».

Eu estou convosco e em vós, enquanto Mãe, não vendo aí nenhuma conotação ou coloração humana. A nossa filiação (a nossa ressonância com o Núcleo Cristalino da Terra, que nos é comum) não é uma filiação que além disso vos confinaria mas, antes, a chave da vossa Liberdade. Depois deste dia, eu vos convido a se imergirem, a se mergulharem, no banho da Felicidade.

A alimentação da Terra passa, doravante, por diversas Portas de Estrelas e do Sol. Os mecanismos visando (de todas as formas possíveis) restabelecer a vossa Integridade e o vosso Todo estão, definitivamente, no lugar, tanto no vosso corpo como no conjunto deste sistema solar.

A ação dos Elementos prossegue (e prosseguirá) o tempo que for necessário, durante este mês, a fim de perfazer (concluir) a vossa Liberdade, a fim, precisamente, que vocês sejam capazes, cada um e cada uma, de ver, realmente, de estar iluminado, em pleno dia, sobre o que vocês São, de estar iluminado sobre outra coisa além do que fazia o ordinário das vossas vidas, no seio deste mundo.

Eu venho também, de qualquer modo, convidar-vos, de maneira bem mais importante que o nosso encontro de hoje, a permanecer aí onde tudo é ligeiro, a se instalarem aí onde tudo é feliz, aí onde tudo não depende, em nada, deste mundo. É nesta condição que vocês estão plenamente vivos, plenamente na vida.

E é esta plenitude que se instala, em vocês, com mais ou menos evidência, mais ou menos facilidade. Mas vocês o sabem muito bem: qualquer que seja a intensidade das vossas vivências, qualquer que seja a intensidade do que vocês experienciam, do que vocês vivem, nós construímos, juntos, tudo o que era necessário para realizar, com o máximo de facilidade (para este mundo, para o conjunto de todas as consciências desta Terra), um mecanismo que permite, efetivamente, ter podido viver, para a maioria de vocês, sem ser afetado pelos reajustamentos da Luz ou pelas resistências da Sombra. Quer estejam em vocês ou exteriores a vocês, vocês sabem muito bem que isso não é senão um ponto de vista.

Hoje, a Terra, que nos levou a todos neste Plano de existência que foi Libertada, vive agora a sua libertação. Esta libertação, que eu pude comparar a um parto, virá vos apresentar todos os elementos que são necessários, tanto para a vossa consciência, como para a Terra e como para o que vocês São, na Eternidade, para realizar esta obra alquímica maior, com as suas diferentes etapas que vocês viveram mais ou menos facilmente, mais ou menos com a esperança, mais ou menos de acordo com a vossa consciência (e com esse corpo) que foi regada n’A FONTE.

A finalidade de tudo o que foi vivido começou, já, a se implantar, de diversas maneiras, para vocês. Alguns tiveram a Revelação das suas Linhagens. E vocês sabem o que representa esta Revelação: ela não é um conhecimento como qualquer outro mas ela vos restitui, através dos quatro Pilares do Coração, e vos ajuda a encontrar, de qualquer modo, esse centro do Centro, esse coração do Coração, que sempre esteve aí.

Quaisquer que sejam as etapas que vos pareça ter subido (ou escapado, de qualquer modo, à vossa consciência), tudo isso, hoje, vai dar lugar, cada vez mais, a um sentimento, muito claro e cada vez mais lúcido, do que se desenrola, aí onde vocês estão, nesse corpo e, mesmo, no seio da vossa vida, nos seus aspectos mais ordinários (vulgares).

O extraordinário vem ao encontro do ordinário. Mas o extraordinário, vocês o sabem, pode ser assustador para aquele que, quer não esteja preparado (através do que nós propusemos ou por outras formas), ou cujo Coração não é suficientemente inocente.

A chave deste período, como vocês o sabem, é o Abandono, a capacidade de permanecer em Paz, a capacidade de viver, de maneira cada vez mais segura, para vocês, os estados de Beatitude, de Êxtase ou de Samadhi. Vocês o vivem, de qualquer modo, através desta noção de distorção do tempo: para vocês, o tempo parece esticar-se, para outros, o tempo parece contrair-se.

E, em tudo isto, o vosso corpo está sujeito e reage, por si mesmo, a este afluxo de Luz, a este afluxo de Amor. O conjunto de todas as vossas percepções (quaisquer que elas tenham sido), hoje, tendem, eu diria, a resolver-se nesta espécie de vacuidade onde tudo é pleno, onde tudo é perfeito, onde todas as questões que se podiam apresentar, ainda, vos parecem, agora, supérfluas.

A Luz guia-vos: ela vos faz subir e ela vos conduz ao vosso Ser Supremo, sem dificuldade. As únicas dificuldades, como vocês o sabem, só são representadas, hoje, pelas últimas resistências: quer isso seja pelo que é denominado Sombra, por quem está ligado aos hábitos ou pelo que está ligado às ignorâncias relativamente à Verdade, Suprema, ela também.

O tempo do meu Apelo chegou, mesmo se, de maneira pessoal, muitos de vocês me receberam ou receberam o Apelo de uma das minhas Irmãs Estrelas ou de um dos Anciãos ou, ainda, de um Arcanjo. Hoje, vocês estão, de qualquer modo, convidados para esta Festa. Não são mais umas Núpcias, porque umas Núpcias são um momento.

E esta Festa não foi chamada para durar um momento mas, antes, para se instalar definitivamente, pondo fim a tudo o que foi separado, a tudo o que podia ser zona de sofrimento ou de dor, mesmo se certas aparências do mundo, vistas com o olhar habitual, vos fazem por vezes duvidar deste momento de Festa. Mas este momento de Festa está inscrito de todos os tempos. Simplesmente, o que nós tínhamos dito era que as circunstâncias precisas, para chegar a esta Festa, seriam profundamente diferentes segundo a resposta da humanidade.

E como os Arcanjos vos disseram (quer isso seja depois das Núpcias Celestes ou como nós vos repetimos regularmente): do nosso ponto de vista, tudo está absolutamente perfeito. Mesmo se vos pareça que, na vossa vida, que no lugar onde vocês vivem, existem coisas mais constrangedoras para vocês, é simplesmente porque o constrangimento não mudou mas a vossa visão e a vossa capacidade de perceber amplificou-se e desenvolveu-se largamente.

O que vocês percebem, hoje, tentem lembrar-se: objetivamente, vocês não podem senão constatar que as coisas progrediram, para se apresentarem a vocês de maneira muito diferente. A grande novidade, para a maior parte de vocês (e, nós esperamos, cada vez mais numerosos, agora, a cada dia), é darem-se conta da Verdade.

Não da verdade da história que, como vocês o sabem, sempre foi escrita por aqueles que estavam à cabeça de qualquer coisa (de uma instituição ou de um grupo de pessoas) mas, nunca, nenhuma história, qualquer que ela seja, substituirá a vivência da vossa experiência.

E tudo aquilo a que vocês foram conduzidos pela Luz mas também pelo vosso Coração, isso foi, pouco a pouco ou brutalmente, para se darem conta, por vocês mesmos, do que é a consciência nos seus aspectos limitados e nos seus aspectos ilimitados. De se darem conta que, o que quer que seja que vocês tenham a viver, na vossa história pessoal, isso não será nunca mais do que uma história pessoal que é sempre dependente das circunstâncias, de um certo número de quadros e de limites, próprios deste mundo.

A Humildade é juntar-se à sua Humanidade, é juntar-se a este aspecto do sal da Terra ou da carne da Terra. Porque vocês são, muito precisamente, aqueles que estão inscritos entre o Céu e a Terra e que talvez tenham perdido, para muitos de vocês, esta noção de confiança com a Eternidade, que vem transcender todas as histórias, tanto pessoais como coletivas. Vocês vivem, portanto, e vocês experimentam, mais uma outra temporalidade: Encontros (denominados de diferentes formas) com outros Planos, outras Dimensões, que vos eram, até o presente, inacessíveis. Tudo isso são, se vocês os virem com objetividade, elementos de prova, não mais formais, da mudança que está em curso. Mas esta mudança não é uma simples mudança, como aconteceu em toda a história deste mundo. É bem mais que uma mudança de ciclo, que uma mudança de era, que uma mudança de estado da consciência.

O Retorno à multidimensionalidade, aqui mesmo nesta Terra, vos permite fazer a vossa própria análise e de viver a vossa própria verdade. Se vocês aceitarem deixar a Luz trabalhar (como ela trabalhará cada vez mais poderosamente em vocês), vocês não poderão senão constatar que, entre a Luz e vocês, não há senão o espaço da ilusão das crenças neste mundo e na sua verdade, e que quanto mais vocês acolhem a Luz e quanto mais vocês se Abandonarem a ela, mais ela vos desperta e vos revela, de forma cada vez mais justa.

«Se reconhecerá sempre a árvore pelos seus frutos» e os estes frutos, certamente, não são manifestáveis e manifestados, unicamente, por coisas que são para adquirir ou para desenvolver (quer isso seja na matéria ou na consciência) mas, bem mais, por esta noção de filiação. Porque esta filiação não é, agora, simplesmente, uma vaga lembrança, mas antes, nós o esperamos, a realidade da vossa vivência, cada vez mais frequente e quotidiana. Mesmo se algumas das oscilações entre a Eternidade e o efêmero, o ilusório e o Absoluto, vos pareçam, por vezes, desafiadoras.

Se vocês estão aí, aqui ou algures, a ler ou a escutar o que eu digo, vocês se dão bem conta do que se produz em vocês, do que se desenrola no vosso campo de experiência. Então, como isso foi dito, há vários anos, pelo Comandante (ndr: OMRAAM MIKAËL AVAÏNHOV): certamente, nós sabemos pertinentemente, daqui onde nós estamos, que havia prazos e que esses prazos eram astronômicos.

Mas não concebam nunca este prazo astronômico como um momento marcado por uma pedra branca ou vermelha, significando um antes e um depois, porque o antes e o depois não se podem construir, segundo a vossa linearidade, no espaço de um Clique (Centelha/Faísca), mesmo se, no momento em que isso ocorrer, isso se faça como um Clique. Havia, é claro, um certo número de resistências, um certo número de crenças, um certo número de elementos, tanto no vosso corpo como no que envolve a Terra ao nível do seu controle (ou seja, o sistema de controle do mental humano ou ainda as egrégoras), a impossibilidade de encontrar, na totalidade, a Liberdade.

Alguns de vocês a encontraram. Alguns de vocês estão em vias de o viver. Tudo isso nos alegrou, porque nós pudemos constatar, nos nossos diferentes Encontros com vocês (quer sejam as minhas Irmãs ou eu mesma, ou ainda os Anciãos e os Arcanjos) que cada um trouxe a sua pedra para vos permitir se encontrarem e se reencontrarem, enfim, tal como vocês São, na Eternidade.

Nós estamos, também, perfeitamente conscientes (em todo caso para aqueles e aquelas de nós que conheceram a carne desta Terra) que existe um tal peso, no seio da densidade em que vocês estão, que certos obstáculos podiam parecer, ainda há poucos anos, dificilmente ultrapassáveis. Mas eu vos convido a olhar objetivamente: olhem o que vocês eram, o que vocês criam (acreditavam) ser, há alguns anos, e olhem, hoje, o que vocês são.

Eu não falo, é claro, das circunstâncias, quaisquer que elas sejam, da vossa vida, mas eu me dirijo diretamente ao vosso Coração e à vossa consciência. Quanto mais vocês consciencializarem isso, mais vocês irão aceitar deixar os últimos hábitos, os últimos medos, as últimas dúvidas, como as últimas resistências coletivas. Vocês sabem que, por trás de tudo isso, há essa Morada da Paz Suprema. E nós sabemos que vocês são cada vez mais numerosos a experimentá-lo, a aí se estabelecerem, a aí permanecerem.

Como eu vos disse, aquando da minha última intervenção, o tempo do meu Apelo está muito próximo. O Canal Mariano coletivo foi criado e constituído: ele está operacional. Nós estamos próximos de vocês. Nós estamos mesmo, para muitos, revelados, no Interior de vocês. Então, este momento é um momento de Festa, mas de uma Festa que não pára nunca. Porque, assim como neste mundo vocês têm o hábito de oscilar entre um estado e outro, entre uma experiência e outra, as alegrias e as tristezas, assim na vossa Eternidade, nenhuma destas alternâncias pode existir, nenhuma flutuação pode aparecer.

Então, é claro, para o que resta da vossa pessoa, inserida na vossa história ou na história deste mundo, isso pode parecer, ainda, tão longe, tão hipotético. Mas vocês sabem muito bem – pelas vossas experiências, pela vossa vivência, pelos diversos testemunhos que vocês podem comunicar – que todas essas etapas (que nós atravessamos e que vocês atravessaram) foram passos benéficos, visando encurtar e adoçar os elementos mesmo mais desagradáveis para a personalidade.

O Parto e a Libertação se produzirão a um dado momento. Mas foi necessário construir esse momento. Foi necessário construir, pouco a pouco, reconstruir, eu diria, a vossa Eternidade. E vocês realizaram-no. Aqueles de vocês que já foram Chamados, a um dado momento ou a um outro, devem instalar-se, cada vez mais, nessa reminiscência e, bem mais do que isso, nessa Paz, nessa Felicidade que vos é prometida, porque vos é devido. Não como qualquer coisa a adquirir: é o que vocês Eram antes.

E eu falo de «antes» como a experiência desta encarnação, como de todas as encarnações neste mundo. Quer isso seja as vossas Linhagens Estelares, quer isso seja a ação dos Elementos, quer isso sejam as diferentes percepções presentes no vosso corpo, vocês têm todos, num grau ou noutro, abordado ou vivido, a Verdade Absoluta do Amor e da Luz que vocês São.

Doravante, as circunstâncias prévias estão todas reunidas. Tanto vocês, como nós, como a Terra, que disseram «sim», esperam, agora, sem impaciência, nesta Paz, o momento em que o limiar da Luz será tal que o Clique (Centelha/Faísca) acontecerá de forma coletiva. Lembrem-se, durante este período (quer isso seja antes do meu Apelo, ou logo após o meu Apelo, antes desse famoso momento, preciso e identificável), o que vocês São, o que vocês vivem, quer isso seja por um instante ou de maneira mais constante.

Não há nada a considerar, nem a preparar. Doravante, eu diria mesmo que não há mais nada a preparar, que não há mais nada a pedir, nada a esperar, que há unicamente que viver, da forma a mais Humilde possível, o que se desenrola agora. Da vossa Humildade e da vossa Simplicidade resultará, realmente, o apoio que vocês trarão à Luz, pelo seu trabalho. Lembrem-se que até esse Clique (Centelha/Faísca), até esse instante (que não é, eu o lembro, necessariamente, assimilado e sobreposto com os prazos astronômicos), tudo isto se desenrola ao mesmo tempo.

Mesmo se, para nós, tudo está consumado, nós sabemos, claro, que, do vosso ponto de vista, pode parecer restar alguma coisa para realizar, claro, para o que vocês denominam a Ascensão (e o que nós denominamos, convosco, a Translação). Mas o que é para realizar não necessita, da vossa parte, de outra coisa senão esta Humildade, esta Benevolência, e esta noção de deixar trabalhar o que trabalha.

Assim, desde este dia e até, eu diria, este prazo astronômico, nós estaremos, duas das minhas Irmãs e eu mesma, o mais próximo de vocês, de forma privilegiada mas não exclusiva. Assim, a minha Irmã GEMMA (ndr: GEMMA GALGANI) e a minha Irmã MA (ndr: MA ANANDA MOYI) e eu mesma, estaremos, mais do que nunca, presentes, com evidência, durante os vossos Alinhamentos, para outros durante as vossas noites e também, eu diria, como uma espécie de lembrete, antes do Clique (Centelha/Faísca) de que eu falava, que é de se manifestar a vocês, de falar convosco, de conversar convosco.

Eu sei que há, entre vós, aqui e noutros lugares, quem me entenda e com quem eu contato. Então, certamente, isso pode parecer surpreendente, porque vocês têm sempre tendência a considerar que para além de sentir as nossas Presenças nas Comunhões ou de sentir a nossa Presença, em vocês, é-vos por vezes difícil encontrar uma outra significação que não seja o contato ou outro modo de troca, senão pela própria Comunhão.

Hoje, alguns de vocês são tão elevados, Vibratoriamente e em consciência, que não há para nós nenhuma dificuldade, realmente, em vos falar de diversas coisas que vos são próprias. Mas lembrem-se que a dado momento eu me expressarei a vocês, coletivamente, no mesmo momento. Este momento, vocês não podem conhecê-lo, se é que ele já está atualizado nos outros espaços/tempos, nas outras Dimensões, e que resta apenas, de qualquer modo, que esta Implantação do Coração Ascensional se realize no conjunto coletivo da Terra.

Porque é nesse momento que aqueles dos nossos Irmãos e Irmãs e dos meus Filhos que dormem, se lembrarão, pela impulsão final da Luz, do que eles Foram e do que eles São, de toda a Eternidade. Qualquer que tenha sido a passagem sobre esta Terra, qualquer que seja a sua duração, qualquer que seja a sua intensidade e quaisquer que sejam os marcadores de uma evolução, hoje, vocês são convidados a deixar tudo isso ser varrido, cada vez mais, pela nossa Presença, pela vossa Presença e, portanto, pela Luz.

Os nossos encontros das 19h (hora francesa) se tornarão cada vez mais perceptíveis, pela nossa Tripla Presença feminina, junto a vocês e em vocês. Porque isso é a melhor forma de reequilibrar, eu diria, definitivamente, a Dualidade masculinidade/feminilidade e de vos permitir juntar o que foi denominado, pelo Arcanjo MIGUEL, a Androgenia Primordial. Todos os Encontros com os vossos Duplos, quaisquer que eles sejam (quer isso seja com KI-RIS-TI, com MIGUEL, ou conosco, ou com os Anciãos), não tiveram senão um objetivo: que é o de vos permitir estas Fusões.

Não unicamente com um Duplo, não unicamente com aquele que é encarnado mas, verdadeiramente, esta Fusão com a Vida, ou seja, encontrar esta filiação, esta Liberdade de Ser o que vocês querem, o que vocês amam, onde quer que estejam, em qualquer forma, em qualquer Dimensão, em qualquer consciência que seja.

Tenham também presente no espírito que, nestes tempos tão precisos, se podem manifestar, ainda (em vocês mas, cada vez mais, no que vocês denominam exterior, ou seja, no mundo), sinais que podem ser considerados como o que foi chamado catástrofes, do ponto de vista da personalidade. Mas nenhuma catástrofe se refere ao que vocês São. Bem pelo contrário.

E o que foi chamado, de um ponto de vista, uma catástrofe, é uma Libertação, visto de outro lado. Não são simplesmente jogos de palavras ou questões de definição mas, bem mais, o próprio estado da vossa consciência. Segundo o que vocês São, e não mais segundo o que vocês pensaram, criaram ou imaginaram, ou acreditaram, mas antes segundo a vossa intimidade (que vos é própria e onde se encontram todas as intimidades), na mesma confiança, na mesma filiação, que é a da Liberdade, do Amor e da Luz.

Eu vos proponho alguns instantes de Fusão, em silêncio, antes de prosseguir, para a segunda parte, do que eu vos tenho a entregar.


… Compartilhamento do Dom da Graça …

Eu vou, portanto, agora, prosseguir com estes alguns elementos que, eu espero, permitirão assistir-vos nos vossos próprios processos de verificação do que se desenrola, em vocês. E lembrem-se destas frases: só aquele que foi chamado a desaparecer tem medo de desaparecer; aquele que é Eterno não tem nenhuma razão para ser afetado pelo que quer que seja.

A nossa Tripla Radiância de Estrelas (realizada por GEMMA, MA e eu mesma), que se ilustrou pelo Manto Azul da Graça e o Canal Mariano, vai agora atravessar um limiar. Este limiar é o limiar de uma comunicação mais direta, mais fácil, mesmo segundo os vossos critérios.

Dos nossos Encontros aumentará a Paz. Dos nossos Encontros sairá o Amor. Nós vos convidamos a mergulharem, completamente, nos nossos contatos. Vocês atrairão, sem nada pedir, tudo o que é útil e necessário para este tempo. Para acabar, eu vos lembro também, que em termos de tempo, o Clique (o momento do Basculamento, se vocês preferirem) corresponderá a um momento que não é escolhido, nem por nós, nem por vocês, nem pela Terra, mas, antes, pelo que vocês denominam (e denominamos convosco) A Fonte e também pela capacidade de Revelação d’A Fonte.

A Luz penetra em vocês. Doravante, ela não penetra mais unicamente pelas Estrelas da cabeça ou pelo Coração mas a Luz pode penetrar em todo o espaço da vossa consciência e do vosso corpo. Então, é claro, há reajustamentos necessários. Mas o vosso corpo é um guia, perfeito, para o que é para viver, agora.

Sigam o que vos diz o vosso corpo e não mais o que vos dizem as vossas necessidades ou os vossos hábitos. É aí que vocês precisam ser claros com vocês mesmos. Será que vocês estão realmente de acordo com vocês mesmos? Será que vocês aceitam conceder o que é necessário (e que a Luz vos pede) para concluir a vossa própria Translação? É um momento (durante estes dias e estas poucas semanas que precedem o fim deste ano) em que vocês vão poder, não unicamente se posicionarem mas, realmente, se estabelecerem no Amor e na Luz, ou no mental. No Amor, ou noutra coisa. 

Não haverá mais dois lugares possíveis. Não haverá mais escolha entre um lugar e outro lugar. Vocês não poderão mais estar a cavalo sobre duas realidades mas vocês constatarão, por si mesmos, que uma realidade substitui outra, ou que a realidade que vocês conhecem torna-se ainda mais acentuada. Isso se tornará facilmente perceptível.

E lembrem-se, sempre, que as nossas Presenças, ao vosso lado e em vocês, são, de qualquer modo, a prova evidente de que vocês não estão mais separados, de que vocês não estão mais divididos, mesmo que este mundo vos pareça ainda separado e dividido.

E, se vocês aceitarem esta Unificação, esta União, que se realiza em vocês, então, vocês verão muito rapidamente que, real e concretamente, as circunstâncias do efêmero não estão de forma nenhuma na frente da vossa vida mas se afastam de vocês, naturalmente e espontaneamente, sem nada rejeitar, sem nada descartar. Mas é precisamente aquele que esteve privado de Luz que, tanto em vocês como neste mundo, desaparece na totalidade, mesmo se, em certos casos, as aparências vos possam dar mais a imagem do que resiste e se opõe. Isso só tem um tempo de existência, que é cada vez mais limitado e cada vez menos aparente.

Mas, para isso, nós insistimos: é preciso estarem cada vez mais livres, sobretudo, de toda a crença, de toda a ideia pré-concebida, de toda a projeção. Lembrem-se que definitivamente, o que quer que seja que eu vos diga sobre o tempo que se desenrola, sobre os prazos astronômicos ou sobre o Clique da Translação, vocês estão já fora de tudo isso, a partir do instante em que vocês não estão mais inscritos na personalidade. Além disso, vocês constatarão, cada vez mais facilmente, que quando vocês estão de novo religados à vossa Liberdade, vocês não são mais afetados por uma história deste mundo.

Quaisquer que sejam o início ou o fim da história, vocês não estão mais na história mas vocês estão na Vida. Ora, a Vida não se acomoda em nenhuma história, em nenhum arranjo com o mental ou com as memórias (quaisquer que elas sejam). Redescobrir a Vida e a Liberdade, é manifestar a Paz, o Amor, a Luz e a Humildade e, sobretudo, a Simplicidade. Porque aí se encontra, na Humildade e na Simplicidade, eu diria, a quintessência da vossa Eternidade.

Então, sim, vocês podem chamar-nos, às minhas Irmãs e a mim, da mesma forma que URIEL vos acompanhou durante estas semanas. Ele termina hoje a sua missão. Da mesma forma que outros Arcanjos terminaram, da mesma forma que certos Anciãos ou certos intervenientes (que vos deixaram recentemente porque eles não têm mais nada a expressar), da mesma forma, para vocês, é a mesma coisa que se desenrola.

Não há que adquirir a mínima crença. Há apenas que se estabelecerem na vossa Eternidade. Todo o resto, absolutamente todo o resto, resulta disso. Não é mais o tempo de procurar modificar as circunstâncias. Não é mais o tempo de procurar modificar as condições. É verdadeiramente tempo de viver o Essencial a fim de se tornarem, vocês mesmos, esse Essencial que vocês São.

Assim, para vos ajudar nisso, as minhas duas Irmãs e eu mesma estaremos convosco, todas as noites, às 19h (hora francesa), ou quando vocês nos chamarem. Mas eu voltarei, também, a me expressar dentro de uma semana e dentro de 15 dias, entre vós, sempre à mesma hora (ndr: 8 e 15 de dezembro às 14h). É um encontro que vos dou, onde haverá, como vocês verão, cada vez menos palavras, cada vez mais Presença, cada vez mais Eternidade, cada vez mais Beleza

Porque o conjunto das palavras, que era possível pronunciar, o foram. Porque o conjunto das experiências da vossa consciência, que era possível viver durante esta fase, vos foi comunicado. Vocês o viveram, talvez, na totalidade ou, talvez, nenhum. Mas quaisquer que sejam estas fases, hoje, elas se apagam a si mesmas, perante a magnificência da Luz e do Amor, no Retorno integral de KI-RIS-TI.

Então, não há mais sinal exterior a procurar, não há mais data a procurar. Porque tudo isso, quando vocês entram na vossa Eternidade, vocês o sabem, não tem mais nenhuma espécie de importância. O que vocês São não está mais dependente deste mundo, mesmo se vocês estão ainda neste mundo. A Verdadeira Liberdade e a Verdadeira Libertação estão aí. Ela não está noutro lugar.

Tomar consciência disso, é tomar consciência e viver a sua Eternidade. É viver este indizível do qual nada pode ser dito. É, sobretudo, baixar as armas de toda a resistência e de toda a tentativa de confrontação, mesmo entre o vosso próprio efêmero e o vosso próprio Eterno, em vocês. Estes mecanismos diversos que vocês têm vivido e que eram chamados, ainda há uma semana, esta sobreposição (superposição), esta justaposição (ndr: ver sobre este tema a intervenção de ANAEL de 24 de novembro 2012), tornam-se, por momentos, uma espécie de sobre-impressão em que duas realidades se mesclam, em que duas coisas (que, até o presente, eram desconhecidas uma da outra) se encontram.

Estes são, efetivamente, os Regressos a Casa (Retrouvailles). E como todos os Regressos a Casa, é sempre uma Festa. Salvo que aí, isso não é uma Festa que está limitada a um momento ou um instante mas que, a cada dia, vos vai aparecer como Eterna, Perpétua e de uma grande Graça.

Se isso ainda não aconteceu, vocês descobrirão que a Luz, o Amor, são a única Verdade, presente e inscrita em todo o tempo, em toda a Dimensão, mesmo aqui, aí onde vocês estão. Não como uma busca ou qualquer coisa de exterior mas, antes, como a própria natureza do que vocês São e do que nós Somos. Então, nós vos convidamos, mais do que nunca durante todos estes anos, a permanecer verdadeiramente o mais Simples possível. Observem, se vocês o desejarem, a ação da Luz e do Amor, em vocês. Observem o que parece mudar tanto no vosso meio, como em vocês.

Uma das minhas Irmãs vos preveniu: doravante, a Luz é tal que ela vos vai alimentar, em todos os sentidos do termo (ndr: ver a intervenção de HILDEGARDE DE BINGEN de 3 de outubro 2012). E tudo o que vos alimentava antes (quer isso seja nas trocas fraternais, quer isso seja numa relação harmoniosa com um outro Irmão ou Irmã, qualquer que seja o seu papel na vossa vida) vos aparece como não suficiente mas, também, como elementos que eram, de qualquer modo, paliativos. Hoje, vocês se descobrirão inteiros e curados.

Mesmo se isso ainda tem, para vocês, a aparência de um sonho, porque isso não está ainda estabelecido, para vocês, de maneira fixa e definitiva, vocês não podem ignorar estes dois componentes. Vocês não podem ignorar o que se joga, em vocês, de maneira cada vez mais tangível, como o que se joga neste mundo.

A Fusão dos Elementos, que se realiza ao nível do Éter e do ponto ER da vossa cabeça e do vosso Coração, é um momento de grande regozijo. É o momento em que tudo o que vos é conhecido desaparece (quer isso seja o corpo, quer isso seja o sentido de uma identidade, quer isso seja, mesmo, uma Vibração que pode tornar-se extremamente intensa), parecendo levar o corpo para outro lugar. Num dado momento, por trás de tudo isto, há a Paz.

E esta Paz não é, simplesmente, uma oposição à guerra mas, realmente, a Verdadeira Paz, aquela que coincide com a Eternidade e que é a manifestação, aqui, para vocês, da Eternidade. Encontrar a Sede (o centro) da Consciência, d’A Fonte, no coração do Coração, é passar de um estado a outro, sem dificuldade e sem apreensão.

É não mais, verdadeiramente, fazer distinção entre o que é conhecido e o Desconhecido, porque o Desconhecido se revelou a vocês, mais ou menos poderosamente, mais ou menos integralmente mas, no entanto, com evidência suficiente para vos fazer considerar o que se desenrola agora. Da vossa constância na Paz, da vossa constância na Humildade, resultará, diretamente, a facilidade com a qual a Luz estabelecerá o seu Reino Eterno.

Estejam, também, conscientes, e eu o repito hoje, que vocês não têm que convencer quem quer que seja. Só a vossa Presença (não através das palavras mas através da qualidade da Transparência que vos habita) será capaz de iluminar, realmente, não o mental mas o Coração dos seres que se aproximam de vocês. 

O Amor é evidência. O Amor não será nunca uma expressão ou um ponto de vista. Esta evidência, ela se estabelece por si própria. Eu diria que ela não precisa de nada, doravante, do vosso efêmero, contrariamente ao que, durante estes anos, nós insistimos sobre a vossa consciência, sobre as Lâmpadas do corpo, sobre a Cruz da cabeça e tantos elementos que vos permitiram afinar, de qualquer modo, a vossa consciência, na sua capacidade de descobrir o Amor, que ela própria é.

Tudo isto, agora, é ultrapassado porque vocês estão mergulhados, cada vez mais, na Luz. Vocês estão mergulhados, cada vez mais, nesta Paz. Então, é claro, há inúmeros Irmãos e Irmãs que não vivem esta Paz. Que vivem o medo, a cólera, a negação. Que recusam ver a Verdade da consciência. E vocês aí não podem nada. Simplesmente ser cada vez mais Humilde e cada vez mais Transparente, a fim de que o que emana de vocês passe as palavras, passe a atitude, passe o olhar. E que o que emana de vocês seja o único sinal e a única evidência importante, para o conjunto da humanidade.

A partir desta noite, às 19h (hora francesa), nós estabeleceremos a nossa Presença, em vocês, até o momento em que esta Presença se torne, por sua vez, para vocês, comum e habitual. Não para criar um hábito mas para criar, justamente, uma permanência que nunca se apaga. Quando vocês começarem a viver isso, durante estes dias que fluem até o final deste ano Terrestre, vocês sabem que (e vocês saberão) vocês se aproximam desse Clique.

Lembrem-se que os Sons do Céu e da Terra (que foram escutados, em todos os lugares da Terra, de maneira descontínua) serão contínuos pouco tempo antes do meu Apelo. Não há melhor forma de desaparecer do que desaparecer na Luz. Aí está o objetivo deste Clique, deste momento que foi apreendido de tantas formas diferentes, desde os profetas (tanto o Antigo como do Novo Testamento) ou ainda das Escrituras Védicas ou do Alcorão. Tudo isto foi colorido pela história do momento, pelas personalidades do momento.

E, certamente, essas circunstâncias mudaram graças à Luz, graças a vocês. Quando esses sinais se reforçarem, em vocês, quando vocês desaparecerem, cada vez mais, do vosso hábito de vida no seio de uma personalidade, quando não existir mais do que a Luz e que vocês estejam sempre aí, independentemente desse corpo, dessa forma e da vossa pessoa, vocês saberão, então, que vocês estão na Eternidade e que o momento está muito próximo para que a Eternidade se estabeleça sobre a Terra, na sua nova Dimensão de vida.

Quando os Sons do Céu e da Terra forem permanentes (e eu sei que vocês o vivem, a título individual, pelo fortalecimento do que é chamado o canto da alma e do Espírito, em vós), quando isso for audível por todos e em toda a parte, então vocês saberão que alguns dias depois (3 dias depois) eu intervirei. E que 3 dias depois da minha intervenção, se realizará este mecanismo do desaparecimento e do aparecimento, com a maior das facilidades. Porque este processo, mais uma vez, é totalmente natural para a Luz e totalmente oposto à manutenção do que é efêmero.

Hoje, vocês são, portanto, chamados, pela nossa Presença e vossa Presença, a se estabelecerem, de maneira cada vez mais permanente e evidente, no que aparece. E se afastarem, sem o procurar, de tudo o que desaparece. E vocês se aperceberão: nada apareceu e nada desapareceu. Só resta o que vocês sempre Foram. Mesmo se, por enquanto, isso são apenas simples expressões, mesmo se o vosso Coração Vibra com o que eu digo, o importante não é dizer «sim» ou «não», acreditar ou não acreditar nisso, mas antes vivê-lo, vocês mesmos, na vossa intimidade. É isso que está em vias de acontecer, a partir de hoje.

Nós escolhemos, é claro, os momentos que são, para cada um de vocês, os mais fáceis: fora dos Alinhamentos, quando vocês estão sós, nós escolhemos os momentos em que a permeabilidade da vossa forma é a mais segura, tanto para vocês como para nós. Na maioria das vezes, no momento de adormecer ou de despertar, nas vossas meditações ou nas vossas noites. Muitas vezes vocês notarão que os vossos sonhos são interrompidos e vocês constatarão, então, que o que vocês denominavam anteriormente um sonho, não é um. E que este sonho não é mais tangível do que a vossa vida.

Eu não falo, é claro, dos sonhos relacionados com o vosso quotidiano, mas dos sonhos que vos podem fazer viver, tanto a Luz como a Vibração ou até mesmo Encontros místicos. Desta forma, vocês se aperceberam (ou vocês se apercebem, cada vez mais) que a própria definição de realidade não tem mais sentido para vocês e não faz mais sentido.

O que foi chamado o real, a matéria, o concreto, se espiritualiza e, se espiritualizando, desaparece de um plano de manifestação para entrar em outro Plano de manifestação. Tenham presente no espírito que, o que a lagarta chama «a morte» ou «a catástrofe», a borboleta chama-lhe «Nascimento» ou «Libertação». E isto não tem de ser uma crença. Isto não tem de ser uma ideologia mas, antes, a vossa vivência, a vossa intimidade. Vocês têm, doravante, tudo em vocês e convosco, para levar a cabo o que acontece.

Não mais, apenas para vocês (ou para alguns de vocês), mas, antes, para a totalidade da humanidade. Vocês não devem criar, nem ansiedade, nem medo, nem impaciência, nem qualquer projeção. Simplesmente, saibam que não somente tudo está consumado, mas que há, em vocês, agora, todas as estruturas, todas as funções e todas as percepções úteis, para vos levar a este Basculamento.

A Porta Estreita (para um número cada vez maior de Irmãos e Irmãs encarnados) está realizada ou em vias de se realizar. Mesmo que possam existir, ainda, em vocês, resistências, não lhes deem peso. Permaneçam Humildes e Simples. Porque, como poderiam vocês pretender que a Luz É Tudo e não deixar a Luz Ser Tudo? Que querem vocês manter? Cabe a vocês ver. Mas, mais do que nunca, isso resultará da vossa própria capacidade de viver esta intimidade, ou não.

Eu vos convido, de novo, para além de cada noite, a estabelecer um processo de Fusão no coração do Coração, cada sábado, nos dois próximos sábados, há mesma hora. É um momento em que, não apenas nós Comungaremos, mas em que nós nos Fundiremos, nos Fusionaremos, na Liberdade e na Verdade.

Na hora em que, cada vez mais, entre vós, sobre esta Terra, vivem transformações importantes (transformações Interiores, antes de tudo) relativas, tanto a esse corpo de carne, como à vossa consciência, isto é o testemunho indiscutível do que se desenrola, para vocês e em vocês, mas também para a Terra. Eu não falarei mais dos sinais da Terra ligados ao Elementos porque estes vos aparecerão, cada dia, cada vez mais evidentes.

Apenas aqueles (entre vocês, entre o conjunto dos Irmãos e Irmãs da Terra, encarnados) que estiverem em negação, não poderão, nem mesmo aceitar, nem mesmo crer, no que é visto, percebido ou experimentado. Lembrem-se, aí também, que isso não tem nenhuma espécie de importância, porque, até um certo limiar, a imersão na Luz pode ser negada ou contornada, mas que, num dado momento, a intensidade, a difusão da Luz Vibral será tal que vocês não poderão mais escapar dela mas, simplesmente, reencontrar a vossa Eternidade, mesmo se, depois, a vossa escolha for diferente, porque vocês são Livres. E é, precisamente, esta Liberdade reencontrada que vos permitirá Ser Livre, enquanto continuam a experiência de consciência ou o estado Absoluto.

Este tempo é um tempo de Amor Infinito, de Amor poderoso (segundo os vossos critérios), de um Amor Vibrante, Total, que não se preocupa com nenhum compromisso. Porque o Amor nunca será um compromisso, nem mesmo a Luz. Amor e Luz são evidências que vos foram subtraídas.

Eu não voltarei a estes dados históricos mas eu quero, sobretudo, abordar o vosso momento presente. Este momento presente, que acontece durante este mês, e que necessita que estejam ainda mais atentos, não ao que vos sugere a vossa personalidade, mas ao que vos diz a própria Luz, quanto aos vossos hábitos, quanto aos vossos comportamentos, quanto ao conjunto do que constitui a vossa vida. Porque a Luz não faz mais do que, apenas, vos convidar para algumas coisas: Ela vem estabelecer-se, na totalidade. E nada pode ser realizado, em meias medidas, com Ela.
Comecemos, se o desejarem, após esta segunda parte da minha apresentação, a inaugurar esta jornada com um outro momento de intimidade, de Coração a Coração. Façamos isso.


... Compartilhamento do Dom da Graça ...

Mais uma vez, eu rendo graças pela vossa Presença e pela vossa Luz. Se vocês tiverem perguntas específicas relativas, exclusivamente, à minha intervenção deste dia, então, eu vos escuto antes de me retirar.



Pergunta: É possível que o Canal Mariano se ative alguns dias e, depois, se desligue?
Bem Amado, como isso foi expressado, em três ocasiões: o desaparecimento dos processos Vibratórios pode fazer-se por intermitência e, mesmo, de forma definitiva. O apogeu da Vibração, o que vos foi descrito por dois Anciãos como a Vibração celular ou a Luz celular (ndr: ver a intervenção de UM AMIGO de 2 de novembro 2012 e de SRI AUROBINDO de 1 de dezembro 2012), num dado momento (pelo próprio fato da sobreposição [superposição], da justaposição, das diferentes consciências) há uma aclimatação que acontece.

Nesse momento, a Vibração deixa de ser observada nesse corpo. Vocês tornaram-se a Luz, na totalidade. E na instalação disso há, efetivamente, momentos em que a percepção (quer seja do Canal Mariano, do Fogo do Coração, ou, ainda, de um dos Triângulos Elementares da cabeça, ou, ainda, da Onda da Vida, se vocês a viverem) pode desaparecer na totalidade, mas, também, reaparecer ainda (enquanto o Clique, o Basculamento, não teve lugar), nesse corpo e ser percebido de novo.

Não é preciso assustarem-se (nem se inquietarem) com o desaparecimento de uma Vibração. Mas digam a si mesmos que se apareceu, e se desapareceu, isso não desapareceu do que vocês São. Simplesmente, quer isso seja na Infinita Presença ou ainda, quando vocês saem da própria consciência, não há mais razão para o que quer que seja percebido, senão a Beatitude da Luz. Ainda vos é difícil, certamente, conceber isso.

Então, é claro, aqueles que não vivem estes aspectos da consciência farão um jogo bonito de palavras dizendo que a Vibração não é nada e não serve para nada, que a consciência é o que ela é, independentemente de toda a circunstância. A passagem pela Vibração foi a maneira mais direta de vos fazer aceder ao que vocês são. Então se, em ti, a Vibração, qualquer que ela seja, a percepção, desaparece, não só não te alarmes mas aceita, também, isso. Porque é aí que se encontra a Paz.

Em Shantinilaya não há mais Vibração, mesmo que a condição prévia possa ser, por exemplo, a Onda da Vida ou a percepção do Manto Azul da Graça. Mas a condição prévia não é o que está estabelecido, definitivamente. Isso pode ser uma circunstância prévia. Isso pode ser uma etapa.

Mas, como nós o dissemos, a partir do momento em que o interveniente que vos falou muito durante este ano (ndr: BIDI) veio: as etapas preliminares eram, talvez, etapas indispensáveis para muitos de vocês, a fim de vos dirigir para a Consciência Pura, aquela que, devido a esta conexão com o Absoluto, vocês São, não tem mais necessidade de se manifestar por esta espécie de interface, ligado à sobreposição (ou à justaposição ou à sobre-impressão) das consciências.

Assim, quando tu És Amor, tu o És. Tu não tens mais necessidade de perceber, mesmo, a Vibração do chacra do Coração. Porque o que percebeu era, certamente, a personalidade que se transformava. Mas, a partir do momento em que a personalidade é dissolvida, a partir do momento em que o que é efêmero começa a desaparecer e em que Tu começas a aparecer (ou, em todo o caso, tu tens o sentimento de aparecer), ora bem, já não é uma razão válida para que uma Vibração esteja presente.

Quando tu te tornas a Luz, tu És a Luz. Não há mais impacto da Luz ao nível da densidade. A espiritualização da matéria (a Ascensão, a Transubstanciação, a Translação ou o Clique) corresponde exatamente a isso. Portanto, não te assustes com o que possa ocorrer, sobretudo nesta fase, última, do Tempo.

Lembra-te que não é o que tu pensas que cria o que tu És. É o que tu És que criou o que tu pensas e que se afastou disso. Assim, portanto, a Vibração estava ligada à consciência mas do vosso ponto de vista: aquele da personalidade. Pouco a pouco, elevando a consciência e as Vibrações, vocês viveram, por experiência, o Si, até mesmo a Infinita Presença.

A Onda da Vida lançou-se, então, transformou o que restava dos apegos, ligados, mesmo, à estrutura e aos hábitos deste mundo. E alguns de vocês descobrem agora (ou já há mais tempo, ou o descobrirão em breve) que, para além da Vibração mesmo da consciência, há, efetivamente, a a-consciência. Ou seja, vocês Estão aí, e somente Vocês, Estão aí. Nada mais pode existir.

Vocês acabaram, nesse momento, de exteriorizar a vossa consciência. Vocês acabaram de discriminar Vibração ou não Vibração: vocês se estabeleceram na Eternidade. E esta Eternidade não tem a vocação, se me posso exprimir assim, de manifestar o que quer que seja.

E é, justamente, na cessação total da manifestação (quer seja do mental como das Vibrações) que se vive Shantinilaya. Então, não há os que estão mais avançados ou mais atrasados. Há, simplesmente, etapas da Luz que se passam numa certa ordem e numa outra ordem, para outros.


Nós não temos mais perguntas, nós lhe agradecemos.

Bem amados filhos, eu vos digo, portanto: até às 14h [hora francesa], daqui a uma semana. Mas eu também vos digo: a cada minuto do vosso tempo Terrestre, em vocês, se vocês o quiserem. Que todas as Bênçãos do Amor, aqui e algures, estejam em vós.

Eu sou MARIA, Rainha dos Céus e da Terra. Até breve.

________________________________________________________________

NDR 1: Alinhamento Coletivo

MARIA propõe, portanto, aquando do Alinhamento das 19h - hora francesa [16 horas – Hora de Brasília; 18 horas – hora de Lisboa], durante o mês de Dezembro, de fazer apelo, simultaneamente, a Ela própria, a GEMMA GALGANI e a MA ANANDA MOYI, para nos ajudar a reequilibrar a Dualidade masculinidade/ feminilidade e nos permitir juntar ao que é denominado, pelo Arcanjo MIGUEL, a Androgenia Primordial.
(Ver a Seção «Protocolos a praticar/ protocolos prioritários»).

NDR 2: Processo de Comunhão e Fusão de Coração a Coração, com MARIA
- Sábado, 8 de dezembro de 2012, das 14 às 15h - hora francesa [das 11h às 12h – Hora de Brasília; das 13h às 14h – Hora de Lisboa].
- Sábado, 15 de dezembro de 2012, das 14 às 15h – hora francesa [das 11h às 12h – Hora de Brasília; das 13h às 14h – Hora de Lisboa].

Nestes dias, estando já programadas canalizações públicas (dia 08, em Lyon e dia 15, em Angers), estas intervenções se farão, portanto, em público, neste âmbito. No entanto, além da presença física, a conexão, em Espírito, a esta hora, qualquer que seja o lugar em que vocês se situem, permite viver os aspectos Vibratórios que forem então propostos.

As horas indicadas correspondem à hora francesa do relógio. O link Décalage Horaire (http://www.lolo.free.fr/Divers/DecalageHoraire.html ) vos permitirá deduzir a vossa hora local.




Mensagem de no site francês:
http://www.autresdimensions.com/article.php?produit=1715
01 de dezembro de 2012 (Publicado em 02 de dezembro de 2012)
Tradução para o português e elaboração das imagens: Cris Marques e António Teixeira

M.M - http://minhamestria.blogspot.com.br/
C.R.A - http://a-casa-real-de-avyon.blogspot.com/